MP denuncia à Justiça presidentes da Odebrecht e Andrade Gutierrez

O Ministério Público Federal (MPF) apresentou denúncia contra executivos da Odebrecht e da Andrade Gutierrez, entre eles os presidentes das construtoras, Marcelo Odebrecht e Otávio Marques de Azevedo. Ao todo, são 22 pessoas denunciadas na 14ª fase da Operação Lava Jato. Também constam da denúncia o doleiro Alberto Youssef, e o ex-diretor de Serviços da Petrobras Paulo Roberto Costa. O juiz federal Sergio Moro, da Justiça Federal no Paraná, responsável pelos processos da Lava Jato, é quem irá decidir se aceita ou não a denúncia. Em caso positivo, os executivos passam a ser considerados réus.

A 14ª fase da Operação Lava Jato foi deflagrada no dia 19 de junho, quando foram presos os presidentes da Odebrecht S.A., Marcelo Odebrecht, e da construtora Andrade Gutierrez, Otávio Marques de Azevedo, além de executivos ligados às duas companhias ou subsidiárias delas. 

Ao todo, foram cumpridos 59 mandados judiciais, incluindo as prisões. A participação das construtoras nos supostos desvios investigados pela Lava Jato apareceu em depoimentos do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras. 

>> STJ pede informações atualizadas sobre ações contra investigados na Lava Jato

>> Justiça decreta nova prisão preventiva para Marcelo Odebrecht e mais quatro

Nas primeiras 13 fases, a PF cumpriu mais de 400 mandados judiciais, que incluem prisões preventivas, temporárias, busca e apreensão e condução coercitiva (quando o suspeito é levado a depor).

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância do Judiciário, aceitou denúncia contra mais de 80 pessoas. São alvo de ações as empreiteiras Camargo Corrêa, Sanko-Sider, Mendes Júnior, OAS, Galvão Engenharia e Engevix.

Veja a lista dos denunciados nesta sexta-feira:

- Alberto Youssef

- Alexandrino de Salles Ramos de Alencar

- Antônio Pedro Campello de Souza Dias

- Armando Furlan Júnior

- Bernardo Schiller Freiburghaus

- Celso Araripe d' Oliveira

- Cesar Ramos Rocha

- Eduardo de Oliveira Freitas Filho

- Elton Negrão de Azevedo Júnior

- Fernando Falcão Soares

- Flávio Gomes Machado Filho

- Lucélio Roberto von Lechten Góes

- Marcelo Bahia Odebrecht

- Márcio Faria da Silva

- Mario Frederico Mendonça Góes

- Otávio Marques de Azevedo

- Paulo Roberto Costa

- Paulo Roberto Dalmazzo

- Paulo Sérgio Boghossian

- Pedro José Barusco Filho

- Renato de Souza Duque

- Rogério Santos de Araújo

Foram denunciados seis executivos ligados à Odebrecht e cinco à Andrade Gutierrez (incluindo ex-funcionários).

Da Odebrecht: Marcelo Odebrecht, Rogério Santos de Araújo, Alexandrino de Salles de Alencar, Márcio Faria da Silva, Cesar Ramos Rocha e Paulo Sérgio Boghossian.

Da Andrade Gutierrez: Otávio Marques de Azevedo, Flávio Gomes Machado Filho, Antonio Pedro Campello de Souza, Paulo Roberto Dalmazzo e Elton Negrão de Azevedo Júnior.

Procuradores destacam momento histórico

Durante  a entrevista à imprensa, o procurador responsável pela força-tarefa de investigação da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, destacou que a apuração é um “momento histórico” no combate à corrupção e que a “impunidade foi rompida” no país. 

De acordo com o procurador, a investigação já conseguiu recuperar R$ 870 milhões, cujos valores desviados da Petrobras trouxeram “cicatrizes para a saúde e para a educação”. “Por mais poderosos que sejam seus autores [dos crimes], ninguém esta acima da lei”, disse.

Deltan alfinetou a Odebrecht ao dizer que as notas divulgadas pela empresa à imprensa, negando envolvimento nas acusações, não condizem com os fatos. "Nós nos aproximamos da verdade por meio de provas e documentos, e não por meio de notas à imprensa", disse ele, lembrando que as informações concedidas pela empreiteira não condizem com documentos enviados da Suíça. "Não existe espaço na investigação para teorias da conspiração", acrescentou.

Ele concluiu seu discurso dizendo que o Ministério Público Federal tem um sonho, que é compartilhado com a sociedade brasileira. "O sonho de que todos sejam tratados de forma igual perante à lei. A Lava Jato é o suspiro de esperança", afirmou. "Ninguém está acima da lei", ressaltou.