Em Nova York, Temer classifica de 'crisezinha' rompimento de Cunha com governo

O vice-presidente Michel Temer classificou nesta segunda-feira (20) de “crisezinha” o rompimento do presidente da Câmara, Eduardo Cunha, com o Planalto. Em visita a Nova York, nos Estados Unidos, onde discursou para investidores, Temer disse que a relação institucional não será afetada. "Na verdade, até existe uma 'crisezinha política' por causa da posição do presidente Eduardo Cunha, mas crise institucional não existe. Quando eu falo na crise institucional e a diferencio da crise política é para revelar que o país vive, de qualquer maneira, tranquilidade institucional, apesar de todos os embaraços", afirmou.

Temer ressaltou mais uma vez que a decisão de Eduardo Cunha foi pessoal. "Ele até fez questão de registrar esse fato. Posição exclusivamente pessoal, primeiro ponto. Segundo ponto, o partido já se manifestou, dizendo que se tratando de uma questão pessoal, podendo vir a ser avaliada, mas não significa o afastamento do PMDB? Significa sim, o afastamento dele, nada mais do que isso", acrescentou.

>> Rompimento de Cunha não compromete relação com o Congresso, diz Padilha

Michel Temer disse ainda que os recentes episódios no cenário político não podem abalar a confiança dos demais países no Brasil.

O vice-presidente da República defendeu também que o Planalto mantenha o diálogo com o Congresso Nacional. Ele enfatizou ainda que não tem preocupação com o atual cenário e disse acreditar que a crise política será superada em breve.

>> Eduardo Cunha anuncia rompimento político com governo

>> Delator diz que Eduardo Cunha pediu US$ 5 milhões em propina

>> Vice-líder do governo na Câmara pedirá afastamento temporário de Cunha