Justiça de SP aceita denúncia contra 6 executivos por cartel no metrô

Valor das licitações sob suspeita é de R$ 1,75 bilhão

A Justiça aceitou nova denúncia do Ministério Público (MP) contra seis executivos acusados de fraudar licitações para a reforma de 98 trens no metrô de São Paulo. Passaram a ser réus no processo César Ponce de Leon (Alstom), Wilson Daré, Maurício Memória e David Lopes (todos da Temoinsa), Telmo Giolito Porto (Tejofran) e Adagir Abreu (MPE). De acordo com a denúncia do MP do dia 20 de maio, o valor das licitações sob suspeita de fraude é de R$ 1,75 bilhão.

No inquérito, são apurados crimes de corrupção, evasão de divisas e lavagem de dinheiro. As investigações indicam que as empresas que concorriam nas licitações do transporte público paulista combinavam preços, formando cartel para, com anuência de agentes públicos, para elevar os valores cobrados. Na denúncia oferecida pelo promotor Marcelo Mendroni são apresentadas como provas tabelas feitas pelas empresas acertando a divisão dos contratos.

Ainda segundo o MP a concorrência que aconteceu entre os anos de 2008 e 2009, durante governo de José Serra, do PSDB, foi fraudada.