Advogado de Youssef nega que doleiro tenha extorquido empreteiros

Um dos advogados do doleiro Alberto Youssef, Tracy Reinaldet, disse nesta quinta-feira (20) que seu cliente não extorquiu dinheiro e nem ameaçou executivos e funcionários de grandes empreiteiras para o pagamento de propina na realização de contratos com a Petrobras. A soma dos contratos das nove empresas investigadas na operação Lava Jato chegam a R$ 59 bilhões. Ainda de acordo com Rainaldet esses crimes não condizem com a personalidade de Youssef.

O advogado deu essa declaração após uma visita ao doleiro que teve duração de aproximadamente quatro horas, na Superintendência da Polícia Federal. A PF confirmou na manhã desta quinta-feira o depoimento de Alberto Youssef, porém a defesa alega que o doleiro não foi ouvido. De acordo com o advogado, o encontro que aconteceu nesta quarta-feira foi uma reunião técnica para a elaboração da alegação de todos os processos que se originaram a partir da Lava Jato, e têm Youssef como réu.

A informação de que Alberto Youssef havia extorquido dinheiro dos executivos surgiu durante depoimentos dos presos pela  sétima fase da operação Lava Jato. Segundo o advogado Marcelo Leonardo, que defende o vice presidente da Mendes Junior, Sérgio Cunha Mendes, o executivo pagou cerca de R$ 8 milhões às empresas do doleiro no esquema de corrupção da Petrobras.

Ainda de acordo com Marcelo Leonardo, o valor foi pago após Mendes ter sido extorquido por Youssef e pelo ex-diretor de Abastecimento e Refino da Petrobras, Paulo Roberto Costa.

Tracy Reinaldet rebateu as palavras de Leonardo, e disse que não existe uma acusação formal contra Alberto Youssef, e que seu cliente nunca fez nenhum tipo de extorsão a quem quer que fosse.