Polícia do DF prende soldados acusados de roubos em postos de gasolina

A Polícia Civil do Distrito Federal conclui hoje (18) a Operação Tanque Cheio, com a prisão de seis soldados do 1º Regimento de Cavalaria e Guarda do Exército, indiciados pelo crime de organização criminosa. Dois deles estavam detidos desde o mês passado. Os demais foram presos nesta terça-feira. Titular da 5ª DP, na região central de Brasília, o delegado Ricardo Viana informou que as investigações começaram, no início de outubro, com o registro de dois roubos em postos de gasolina do Lago Norte. No dia 11, 11 postos de gasolina registraram ocorrência.

Conforme o delegado, os motoqueiros chegavam, abasteciam, rendiam os frentistas, roubavam dinheiro e não pagavam a gasolina. "Chegamos à conclusão rápida de que as mesmas pessoas praticaram os roubos. Isto ficou mais claro com a semelhança das ocorrências e a descrição dos assaltantes", salientou Viana.

O delegado revelou que, nesse período, foram assaltados 20 postos de gasolina em sete regiões administrativas do Distrito Federal. Acrescentou que os soldados não agiam dentro da corporação e não utilizavam armas oficiais.

Segundo Ricardo Viana, desde o início o Exército colaborou com as investigações. Ressaltou que, de acordo com superiores dos soldados, todos tinham comportamento exemplar. Durante a operação, foram apreendidos oito celulares, uma motocicleta, arma de brinquedo e munição. A única arma verdadeira que o grupo utilizava ainda não foi encontrada pela Polícia.

Os seis soldados presos têm entre 19 e 26 anos. Sob tutela da Polícia do Exército, serão expulsos e julgados pela Justiça comum. Eles responderão pelos crimes de roubo circunstanciado por emprego de arma de fogo e associação criminosa, também com arma de fogo. A pena varia de quatro a dez anos. Entretanto, os agravantes deverão aumentar o tempo de prisão.