Juiz decide hoje se prisões da Operação da Lava Jato serão prorrogadas

O juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal em Curitiba, deve decidir hoje (18) se os detidos na sétima fase da Operação Lava Jato, da Polícia Federal terão as prisões prorrogadas. O prazo de cinco dias das prisões temporárias vence nesta terça-feira. Entre os detentos que cumprem prisão temporária está o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque. O magistrado aguarda manifestação da PF e do Ministério Público para decidir a questão.

Os executivos presos na sexta-feira vão continuar prestando depoimento na Superintendência da PF em Curitiba. Hoje, os delegados devem fazer a oitiva de diretores ligados às empreiteiras UTC e Camargo Correa. Dos 25 mandados emitidos pelo juiz, 23 foram cumpridos. Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, e Adarico Negremonte Filho continuam foragidos.

>> Em depoimento à PF, executivos presos na Lava Jato negam cartel na Petrobras

>> Dilma diz que caso Petrobras pode mudar o país para sempre

>> Ministro da Justiça diz que oposição quer transformar Lava Jato em 3º turno

>> Das capitanias hereditárias aos porões de alguns empreiteiros

>> Justiça rejeita pedido para libertar executivos presos na Lava Jato

>> Advogados de executivos da OAS pedem garantia de defesa

>> Ex-diretor da Petrobras recebia propina em conta na Suíça

>> Lava Jato: em ação contra corruptores, PF prende 18 em vários estados

Na decisão, assinada ontem (17), Sérgio Moro decidiu rejeitar pedido para soltar os presos antes de receber da PF detalhes sobre os depoimentos e das provas colhidas nas diligências realizadas.

"Não há, por ora, e pela própria extensão da operação deflagrada na última sexta-feira, também maiores informações a respeito de quem já foi ouvido e do teor dos depoimentos prestados pelos custodiados, o que também impede avaliação quanto à necessidade ou não de novas medidas investigatórias nos próximos dias. Assim, mais razoável aguardar os posicionamentos da autoridade policial e do MPF [Ministério Público Federal]", decidiu o juiz.