Ministério fala em alerta, mas rejeita apagão nas eleições

Apesar de falar que o sistema está em “alerta” para evitar interrupções no fornecimento de energia durante as eleições de domingo, o secretário executivo do Ministério das Minas e Energia, Marcio Zimmermann, rejeitou, nesta quinta-feira, em Brasília,  a hipótese de apagão, dizendo que será adotado o mesmo procedimento de trabalho, semelhante ao da Copa.

“Hoje já entramos em um situação de alerta, com todo esse planejamento entre áreas envolvidas e órgãos vinculados ao Ministério das Minas e Energia”, declarou o secretário, que completou: “o sistema brasileiro trabalha com risco de nível compatível com sistemas elétricos de economias compatíveis”.

A principal aposta é no sistema interligado que pode atender outras áreas que venham a ter dificuldades. “O sistema brasileiro é interligado, e é para isso, o Sul tem auxiliado o norte, o nordeste”, disse, ao comentar sobre as situação dos reservatórios no Sudeste do País.

Segundo ele, até no caso de Rondônia, o único Estado ainda não interligado com o sistema e que ainda recebe energia da Venezuela, foi assegurado que os geradores de energia atenderão os requisitos de segurança exigidos.

Segundo Zimmermann, em eventos importantes como na Copa e agora durante as eleições, “críticos” argumentavam que ocorreriam problemas, “e o Ministério das Minas e Energia teve posição clara de que o sistema brasileiro é robusto... tivemos uma excelente Copa, e isso só reafirmou a atenção do trabalho que fazemos em eventos desta natureza“.