Zavascki aprova acordo de delação de Paulo Roberto Costa

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki homologou nesta terça-feira (30) o acordo de delação premiada do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa. Ele forneceu à Justiça os detalhes sobre o suposto esquema de corrupção na estatal e deu os nomes dos envolvidos no caso.

Zavascki transferiu para a Justiça Federal do Paraná a decisão de conceder prisão domiciliar de Costa, que o juiz Sérgio Moro, responsável pelo processo da Operação Lava Jato, já concedeu nesta terça (30).

Paulo Roberto Costa deverá ser levado nesta quarta para o Rio de Janeiro. A Polícia Federal já reservou um avião para transportá-lo.

Confira a íntegra da nota de esclarecimento do juiz Sérgio Moro:

Na presente data, 30/09/2014, o Juízo da 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba concedeu ao Sr. Paulo Roberto Costa, acusado nas ações penais 5026212-82.2014.404.7000 e 5025676-71.2014.404.7000, o benefício da prisão domiciliar. A fiscalização do cumprimento das regras da prisão domiciliar ficará a cargo da Polícia Federal. O benefício em questão foi solicitado pelo Ministério Público Federal e pela Defesa diante de aparente colaboração do acusado com a Justiça criminal.

A colaboração premiada é um método de investigação moderno e especialmente valioso para elucidar crimes complexos, nos quais, por vezes, somente quem tem conhecimento dos detalhes da atividade criminal são os próprios agentes. As informações prestadas pelo colaborador ficam sempre sujeitas à verificação e à corroboração.

Paulo Roberto Costa foi anteriormente preso preventivamente em decorrência de investigações e ações penais conduzidas pelo Ministério Público Federal e pela Polícia Federal e estava até então recolhido à prisão em Curitiba.