Mulher suspeita de matar as filhas em SP tem prisão preventiva decretada

A Polícia Civil de São Paulo finalizou nesta sexta-feira as investigações sobre a morte das irmãs Paola Knorr Victorazzo, 13 anos, e Giovanna Knorr Victorazzo, 14 anos. As investigações apontam que a mãe das garotas, Mary Vieira Knorr, 53 anos, é a autora dos crimes. Com a conclusão do inquérito, a prisão preventiva da mãe das vítimas foi solicitada à Justiça, que acatou o pedido.

Mary segue internada no Hospital Universitário da Universidade de São Paulo e nesta tarde, pela terceira vez, se recusou a dar declarações sobre o crime.O delegado Gilmar Contrera, titular do 14º Distrito Policial de São Paulo (Pinheiros), afirma que não há dúvidas sobre a participação da mãe no crime. 

"Concluímos que foi a mãe quem matou as duas filhas. Durante as investigações não se apurou que poderia ter sido outra pessoa", disse ele. 

Segundo o delegado, após o encontro dos corpos, no fim de semana passado, foram feitos vários contatos com a acusada, sem qualquer resposta. Há indícios de que as meninas tenham sido mortas entre quinta e sexta-feira da semana passada.

De acordo com ele, a causa da morte só será revelada após a conclusão dos exames toxicológicos, que deverão ficar prontos na semana que vem. A polícia trabalha com duas hipóteses: sufocamento ou envenenamento.

 "Pela terceira vez tentamos ouvir a dona Mary. Mais uma vez ela permaneceu calada. A medicação que ela vem tomando não influenciaria as respostas que ela pudesse dar. Com referência a qualquer conclusão sobre a insanidade mental, não temos qualquer informação".

 Segundo ele, Mary está presa preventivamente - sem prazo determinado - e vai responder ao processo. "Ainda estamos no aguardo dos laudos, da quebra de sigilo telefônico. Ela estava na casa quando os corpos foram encontrados", disse.

 O delegado lembra que Mary vinha apresentando dificuldades financeiras. "No hospital, ela está passando por um tratamento clínico. Não está se avaliando a sanidade mental dela. Vai ser feito oportunamente. É um laudo que vai ser providenciado oportunamente", disse. Ela responderá por duplo homicídio, com pena prevista de 12 a 30 anos para cada morte.

O crime

De acordo com a Polícia Militar (PM), que atendeu a ocorrência, o filho mais velho de Mary Vieira Knorr acionou a PM, relatando que não estava conseguindo entrar em contato com a mãe por algum tempo. "Ele relatou que ela estaria tentando se suicidar. A equipe entrou na residência com o apoio dos bombeiros, e encontramos a mulher muito perturbada. Falou algumas coisas das filhas, que passava por problemas financeiros, mas estava muito confusa", relatou o PM.

Em buscas pela residência, os policiais também encontraram o animal de estimação da família, que também foi morto pela mulher, asfixiado com o uso de uma sacola plástica. "Ela tomou muitos remédios antidepressivos e chegou a abrir o gás do fogão para se matar", disse o tenente.