Relatório do MP diz que manifestantes começaram confronto no Mineirão

Um relatório apresentado pelo Ministério Público de Minas Gerais nesta sexta-feira exime a Polícia Militar de culpa no confronto ocorrido contra manifestantes nos entornos do Mineirão na última quarta. Enquanto Brasil e Itália faziam semifinal da Copa das Confederações, forças de segurança entravam em conflito com um grupo na região do estádio de Belo Horizonte.

“(Essa) minoria começou a atirar paus e pedras e a disparar rojões em direção à polícia, que estava posicionada dentro dos limites acordados pela Comissão (de Prevenção à Violência em Manifestações Populares)”, diz o texto.

“Alguns manifestantes balançavam o gradil que delimitava o perímetro de segurança e tentavam romper aquele limite, ao que a polícia reagiu com bomba de gás lacrimogêneo”, afirma o MP.  O relatório conclui “que o trabalho da força policial, naquele local, teve caráter de reação”.

As ruas próximas ao Mineirão viraram clima de guerra. Um grupo de vândalos invadiu, destruiu e ateou fogo contra uma concessionária de automóveis. Houve vários feridos, e o manifestante Douglas Henrique de Oliveira Souza morreu após cair do Viaduto José Alencar.

O Ministério Público ainda informou que a Promotoria de Direitos Humanos instaurou procedimentos investigatórios para apurar eventuais responsabilidades sobre denúncias recebidas pela instituição.