Congresso dará palavra final sobre reforma política, diz Mercadante

Ministro reafirmou que plebiscito vai nortear as mudanças políticas

O ministro da Educação, Aloízio Mercadante, afirmou nesta quinta-feira (27), após reunião com a presidente Dilma Rousseff e presidentes de partidos, que o plebiscito vai nortear a reforma política, mas, segundo ele, a palavra final sobre as novas leis será do Congresso Nacional. "O Congresso é a palavra final. Só o Congresso Nacional tem a competência de estabelecer a lei partidária, a lei eleitoral. Por isso que o plebiscito baliza e norteia a reforma, mas quem define é o Congresso Nacional", ressaltou.

Mercadante disse que a mensagem que a presidente deverá enviar ao Congresso Nacional para convocação de um plebiscito terá duas diretrizes essenciais: financiamento de campanha (se público, privado ou misto) e sistema de votação (se proporcional ou distrital).

O ministro também elogiou o esforço que o Congresso vem realizando para acolher as demandas dos manifestantes nos protestos de rua. Ele mencionou a derrubada da PEC 37, a aprovação dos royalties do petróleo para a educação e saúde e a qualificação da corrupção como crime hediondo.

O governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), que também participou da reunião disse que os partidos políticos precisam compreender a distância que se estabeleceu entre  a sociedade e sua representação, como se os governos, os partidos, fossem analógicos, e a sociedade digital.

Participaram da reunião com Dilma Rousseff os presidentes de partidos Eduardo Campos (PSB), Carlos Lupi (PDT), Valdir Raupp (PMDB), Ciro Nogueira (PP), Rui Falcão (PT), Gilberto Kassab (PSD), Alfredo Nascimento (PR), Renato Rabelo (PCdoB), Benito Gama (PTB) e Marco Antonio Pereira (PRB). Estiveram presentes ainda os ministros José Eduardo Cardozo (Justiça), Ideli Salvatti (Relações Institucionais) e Aloizio Mercadante (Educação), e o vice-presidente Michel Temer.

O encontro terminou por volta das 13h50.