Manifestantes incendeiam o Palácio do Itamaraty, em Brasília

Minoria, com atos de vandalismo, irrita grupo que quer protestar pacificamente

Em Brasília, um grupo de manifestantes que participou dos protestos contra o sucateamento do transporte público e valores das tarifas de transporte público, cercaram o Palácio do Itamaraty, um dos mais importantes prédios do país, e chegaram a botar fogo no local. Os focos de incêndio foram rapidamente controlados pela segurança. 

Mais de 20 mil pessoas participaram do protesto no gramado no Congresso Nacional, segundo cálculos da Polícia Militar. Um pequeno grupo de manifestantes tentou romper o cordão de isolamento da polícia, usado para impedir o acesso das pessoas ao Parlamento. O policiamento foi reforçado.

>> Chega a 70 mil o número de manifestantes nas ruas de Santa Catarina     

Alguns ocuparam o espelho d'água em frente ao Congresso Nacional.

Aos gritos de não violência e até vaias, a maioria dos manifestantes pedia que o grupo não tentasse invadir o Congresso. Com camisas e bandeiras do Brasil e cartazes com dizeres como "O Brasil acordou", os manifestantes protestaram contra os gastos públicos na Copa das Confederações, defenderam mais verbas para educação e saúde e a rejeição da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 37, que limita o poder de investigação do Ministério Público, além de outras reivindicações.

Cerca de 3.500 policiais militares participaram da segurança ao Congresso. Eles fizeram um cordão cercando o gramado para impedir que os manifestantes cheguassem à rampa do Congresso, como ocorreu na manifestação de segunda-feira.

As informações entre os manifestantes são trocadas pelo Twitter por meio das hashtags #vemprarua e #ogiganteacordou, mas não há uma liderança única do movimento.

Com Agência Brasil