Quase 500 mil pedem saída de Feliciano de comissão da Câmara

Quase 500 mil pessoas pedem, pela internet, a saída do deputado Pastor Marco Feliciano (PSC-SP) da presidência da Comissão de Direitos Humanos (CDH) da Câmara. O abaixo-assinado virtual foi entregue na manhã desta quarta-feira pelo diretor de campanha do Avaaz, Pedro Abramovay, para líderes partidários - incluindo o líder do PSC, André Moura (SE). 

Segundo Abramovay, ao receber a petição, Moura pediu que houvesse um prazo de 30 dias para que Feliciano pudesse mostrar trabalho à frente da comissão e, se houver algum deslize, o partido agiria. "O próprio líder nos disse que tentou demover o pastor, ofereceu alternativas, mas ele foi intransigente. Nossa posição não é discutir prazos. A CDH não pode ser presidida por uma pessoa com o histórico do Feliciano. Este é o momento de aumentar a pressão pública sobre o assunto", afirmou.

Após uma reunião de mais de 3 horas na noite de ontem, os líderes partidários e o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), decidiram convidar Feliciano para a próxima reunião, na terça-feira da semana que vem. Os parlamentares vão tentar argumentar com o deputado que a presença dele à frente da CDH inviaviliza os trabalhos da comissão.

A terceira reunião da CDH está mantida para a tarde de hoje, e Feliciano pediu que a segurança da Câmara intervenha para impedir que manifestantes atrapalhem a reunião. Nas duas primeiras sessões do colegiado, os manifestantes atrapalharam as sessões e entraram em conflito com defensores do pastor.