RS: incêndio em boate já tem 232 mortos, diz polícia  

Dilma cancelou agenda no Chile e seguiu direto para Santa Maria, onde ocorreu a tragédia

Um incêndio de grandes proporções em uma casa noturna deixou até o momento 232 mortos - 120 homens e 112 mulheres - em Santa Maria (RS) na madrugada deste domingo, segundo o comandante da Brigada Militar Cleberson Braida Bastianello em entrevista coletiva. Inicialmente, o órgão havia divulgado que 245 pessoas haviam morrido. Outras 131 pessoas estão hospitalizadas. O incidente, que começou por volta das 2h30, ocorreu na Boate Kiss, na rua dos Andradas, no centro da cidade. A área está isolada. 

"É um incêndio que causou dezenas de mortes. Estamos apurando o número final. É realmente significativo. Montamos um comitê gestor da crise no Farrezão (Centro Desportivo Municipal), onde está sendo feita a identificação dos corpos e facilitar o mais breve possível a liberação para os familiares", informou o comandante.

>> Dilma visita feridos do incêndio em hospital de Santa Maria

>> Udesc lamenta tragédia ocorrida em Santa Maria/RS

>> RS: seguranças tentaram impedir saída de boate, diz sobrevivente

>> Prefeitura de Santa Maria decreta luto de 30 dias após tragédia 

>> Dilma cancela agenda no Chile e segue para Santa Maria

De acordo com o tenente-coronel da Brigada Militar e vereador da cidade, João Vargas, o número pode chegar a 200. "As pessoas erraram a porta de saída, que fica ao lado do banheiro. Quase a totalidade morreu por asfixia. No desespero para sair, as pessoas foram encontradas no banheiro empilhadas, quase o teto", contou em entrevista à Rádio Gaúcha.

Segundo um segurança que trabalhava no local no momento do incêndio, muitas pessoas foram pisoteadas. "Na hora que o fogo começou foi um desespero para tentar sair pela única porta de entrada e saída da boate e muita gente foi pisoteada. Todos quiseram sair ao mesmo tempo e muita gente morreu tentando sair", contou.

Todo o efetivo do Corpo de Bombeiros e da Brigada Militar está envolvido no atendimento, além de equipes da região e também da Polícia Civil, Polícia Rodoviária Estadual, da Base Aérea, da Superintência dos Serviços Penitenciários (Susepe) e voluntários.

A assessoria do governador do Estado, Tarso Genro, informou que ele irá chegar ao município às 11h30. O governador se manifestou em seu Twitter na manhã deste domingo. "Domingo triste. Estamos tomando as medidas cabíveis e possíveis. Estarei em Santa Maria no final da manhã", publicou.

Em seguida, Tarso Genro divulgou uma mensagem de áudio sobre a tragédia. "Recebemos hoje pela manhã essa notícia gravíssima que enluta o Rio Grande do Sul e a cidade. Estou indo em seguido para acompanhar o trabalho e para compartilhar o luto da cidade que é de todo o Estado e todo o País", disse.

Por volta das 10h40, foi encerrada a remoção dos corpos das vítimas em um caminhão da Brigada Militar. Eles foram levados para um ginásio da região central onde será feito o reconhecimento. Uma força-tarefa do Instituto-Geral de Perícias foi montada para acelerar os trabalhos de identificação, além da investigação sobre as causas da tragédia. “Temos que agir rapidamente para amenizar as conseqüências”, declarou Michels.

Segundo a Secretaria da Segurança Pública do Estado, toda a estrutura do órgão foi colocada à disposição para os trabalhos de apoio às vítimas. Ainda de madrugada, o secretário Airton Michels determinou que todas as aeronaves das polícias ficassem à disposição para o transporte de feridos.

Sinalizador

De acordo com o coronel-comandante do Corpo de Bombeiros em entrevista à Rádio Gaúcha, Guido Pedroso de Melo, o fogo teria iniciado com um sinalizador. "A informação que colhemos no local foi que o que gerou o incêndio é que alguém da banda que estava animando a festa acendeu um sinalizador e acabou pegando na forração (no teto) com base de isopor", informou. Segundo o coronel, muitas pessoas desmaiaram por causa da fumaça tóxica expelida pelo material queimado.