Amigos prestam homenagens a Joelmir Beting

Diversos amigos e jornalistas que trabalharam e conheceram Joelmir Beting prestam homenagens ao jornalista, morto na madrugada desta quinta-feira (29), durante o velório que acontece no Cemitério do Morumbi, em São Paulo. 

"Ele era o mestre do jornalismo brasileiro, vai deixar uma marca indelével. Fica um sentimento de muita tristeza, não há possibilidade de aparecer outra pessoa como ele", desabafou o amigo Luiz Ernesto Kawall.

Abatido, Kawall contou que era amigo de Beting há 45 anos, desde a entrada de Joelmir no jornal Folha de S.Paulo. "Ele sempre foi fora de série tanto no trabalho quanto na vida pessoal", elogiou ele, abatido com a morte do colega.  Para homenagear o amigo, Kawall levava consigo uma carta escrita na madrugada, após saber do ocorrido. "(Beting) viveu sempre inteligentemente, entre nós e viajando pelo mundo. Sem esquecer sua máxima: na prática, a teoria é outra, título de um de seus livros mais famosos. Ou usando uma frase rotariana que admirava: fazer o bem sem olhar a quem". 

>> "Ele morreu trabalhando como queria", diz mulher de Joelmir Beting

>> Kassab exalta postura de Beting

>> Jogadores do Palmeiras vestirão camisa em homenagem a Joelmir Beting

>> "Beting era amigo de todo mundo", diz presidente da Band

>> "Joelmir é insubstituível", diz Datena

>> Delfim Neto lamenta: "Um gênio"

Apresentador e mediador do dominical Canal Livre e comentarista do Jornal da Band, Joelmir morreu à 0h55 desta quinta-feira, aos 75 anos, em São Paulo. No domingo (25), ele sofreu um AVE (Acidente Vascular Encefálico) no Hospital Israelita Albert Einstein, na zona sul da capital paulista, onde estava internado desde o dia 22 de outubro, devido a uma doença autoimune que tinha nos rins.