Mãe de Eliza deixa plenário chorando durante depoimento de Macarrão

Sônia de Fátima Moura, mãe de Eliza Samudio, que viajou de Campo Grande (MS), onde vive, a Contagem (MG) para acompanhar o julgamento sobre o desaparecimento da filha, deixou por volta de 1h30 o plenário chorando durante o depoimento de Macarrão, amigo do ex-goleiro Bruno.

Na saída, Sônia disse estar "frustrada" com o depoimento do Macarrão, que segundo ela contou até agora somente "história para boi dormir", ao narrar os fatos que vão do dia em que Eliza foi pega em um hotel do Rio e trazida para Minas Gerais. Ela chorava muito quando deixou o Tribunal do Júri.

Nas primeiras declarações sobre o caso, Macarrão contou que levou Bruno para conhecer o filho de Eliza no Rio de Janeiro e que atrasou o pagamento da pensão por vontade do goleiro, o que irritava a mulher. Por conta das cobranças, Jorge, primo do ex-flamenguista, teria se irritado e dado uma cotovelada em Eliza dentro do carro de Bruno, o que explicaria o sangue encontrado (que, segundo a acusação, teria sido causado por uma coronhada).

Macarrão negou andar armado e ter sequestrado Eliza. De acordo com o depoimento, ela teria ido ao sítio de Bruno por vontade própria.