João da Costa, de Pernambuco, critica o PT mas revela que votará no partido 

Acusado de estar trabalhando para favorecer a candidatura de Geraldo Julio (PSB), principal adversário de Humberto Costa (PT), o prefeito do Recife (PE), João da Costa (PT), afirmou, em ato na Vila de Santa Terezinha, no último sábado, que os planos para o seu futuro político não incluem a sua desfiliação do PT após as eleições de outubro. O atual gestor do município assegurou que fica no partido lutando para que "a democracia interna prevaleça", como divulgou matéria do Jornal do Comércio Online.

João da Costa, disparou críticas contra todos os candidatos à sua sucessão, acusando-os de fazer uma campanha fantasiosa para a população, que "nem mesmo se a cidade tivesse um orçamento de R$ 100 bilhões" conseguiria realizar as promessas, e de haver apenas uma disputa pelo poder. "Com duas semanas de guia eleitoral, não vi nenhum grande milagre, não vi ninguém falar em mobilidade, navegabilidade, corredores, radiais, Via Mangue. Colocar a disputa pelo poder acima dos interesse do povo. Tem muita gente fazendo isso", desqualificou o prefeito na matéria.

O petista provocou, ainda, o próprio PT por lhe ter tirado o direito de disputar a reeleição. "Os problemas do Recife não se resolvem com uma gestão, mas não vou ficar olhando para o passado. Vou olhar pra frente", disse. O prefeito reafirmou que vai votar no candidato do seu partido, mas também vai continuar equidistante da campanha até o final da eleição, por considerar que o candidato Humberto Costa (PT) e João Paulo (vice) não estão fazendo a defesa de sua gestão, nem a consideram como uma gestão do PT. "Não tenho condições de fazer campanha. Se meu governo não é reconhecido como do PT, como vou participar", posicionou-se.