Prefeitura de SP quer proibir distribuição de sopa nas ruas  

Em um prazo de 30 dias, a prefeitura de São Paulo pode acabar com a distribuição gratuita de sopa para moradores de rua. De acordo com a Secretaria Municipal de Segurança Urbana, as 48 instituições que oferecem o serviço voluntário nas vias públicas da região central poderão ser punidas, caso descumpram a ordem de só oferecer o alimento nas nove tendas da prefeitura, como são conhecidos os espaços de convivência social que atendem os moradores de rua durante o dia. 

Segundo o secretário de Segurança Urbana, Edsom Ortega, as entidades poderão ser "enquadradas administrativa e criminalmente". As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Mais tarde, o secretário informou, por meio de sua assessoria, que não anteciparia que tipo de crime ou infração administrativa as entidades estariam cometendo. O advogado Kleber Luiz Zanchim, da Associação Viva o Centro, afirmou que só cabe punição administrativa no caso de distribuição irregular de alimentos. 

"A Vigilância Sanitária impede a promoção de práticas que possam sujar a via pública", disse. Kaká Ferreira, 59 anos, presidente da Anjos da Noite, que há 23 anos distribui alimentos para moradores de rua, afirmou ser contra. "Podemos oferecer a comida nas tendas, mas queremos atender os moradores que não vão para os albergues à noite".