PF: humorista cearense é um dos presos em ação contra pornografia infantil 

O humorista Rodrigo Vieira Emerenciano, conhecido como Mução, foi preso na manhã desta quinta-feira, em Fortaleza, acusado de compartilhar arquivos com cenas de crianças e adolescentes em contexto de abuso sexual. Com Mução, que também é radialista, os agentes apreenderam tablets, discos rígidos e computadores portáteis. A prisão ocorreu durante a operação DirtyNet da Polícia Federal, feita em 11 Estados e também no Distrito Federal.

A ação, batizada de DirtyNet, é resultado de uma investigação que começou há seis meses, quando a PF passou a monitorar redes privadas de compartilhamento de arquivos na internet. Os suspeitos, integrantes de um mesmo grupo e usando o anonimato, trocavam milhares de arquivos contendo cenas degradantes de adolescentes, crianças e até bebês em contexto de abuso sexual. Além da troca de arquivos foram identificados ainda relatos de outros crimes praticados pelos envolvidos contra crianças, inclusive com menção a estupro cometido contra os próprios filhos, sequestros, assassinatos e atos de canibalismo.

As ordens judiciais estão sendo cumpridas nas cidades de Porto Alegre, Esteio e Santa Maria (RS), Belo Horizonte, Montes Claros, Uberaba, Uberlândia, Varginha e Divinópolis (MG), Curitiba, Foz do Iguaçu, Maringá e Guaíra (PR); Fortaleza (CE); Natal (RN); Rio de Janeiro, Niterói e Nova Iguaçu (RJ); São Paulo, Santos, São José dos Campos e Piracicaba (SP); Recife (PE); Salvador (BA); São Luís do Maranhão (MA); Vitória (ES) e Brasília (DF).

Atuação em 34 países

Os brasileiros compartilhavam material de pornografia infantil ainda com outros usuários da internet em mais 34 países - Alemanha, Arábia Saudita, Argentina, Austrália, Áustria, Bélgica, Bósnia, Canadá, Chile, Colômbia, Croácia, Emirados Árabes Unidos, Equador, Estados Unidos, Filipinas, Finlândia, França, Grécia, Indonésia, Iran, Holanda, Macedônia, México, Noruega, Peru, Polônia, Portugal, Reino Unido, República Tcheca, Rússia, Sérvia, Suécia, Tailândia e Venezuela.

A PF já comunicou os países envolvidos, por meio da polícia internacional (Interpol) para que seja dado prosseguimento às investigações com o objetivo de identificar todos os envolvidos.