CPMI: deputados divergem sobre momento ideal de ouvir Cachoeira 

Integrantes da comissão serão anunciados nesta terça-feira, às 19h30, em sessão do Congresso

Os deputados indicados por seus partidos para compor a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do Cachoeira têm divergências sobre o melhor momento de ouvir o contraventor.

O deputado Rubens Bueno (PPS-PR), indicado pelo bloco PPS/PV, defende a convocação imediata de Cachoeira e já preparou requerimentos para investigar logo a relação entre ele e a empreiteira Delta. "Estou preparado para pedir a quebra do sigilo bancário e fiscal das relações do Carlinhos Cachoeira com a Delta e as empresas laranjas. Isso é fundamental para que não haja aquilo que nós conhecemos bem: o início da destruição de provas, de apagar digitais, o que temos de evitar o quanto antes, afirmou.

Uma parte das investigações relativas a Cachoeira é justamente sobre o repasse de recursos a empresas de fachada para posterior financiamento de campanhas eleitorais.

Indicado pelo PSB, o deputado Paulo Foletto (ES) acredita que os parlamentares precisam primeiro ter uma visão geral das denúncias por meio de outros depoimentos para poder chamar Cachoeira. "Não vislumbro, de início, que se ouça Cachoeira. Precisamos ter uma visão inicial, investigar os fatos que estão sendo narrados de empreiteiras e outros negócios, para que possamos ter dados na mão quando estivermos diante dele. Dessa forma, já teríamos sedimentado fatos concretos para fazer a avaliação final", argumentou.

A Mesa do Congresso Nacional informou que 396 deputados assinaram a CPMI do Cachoeira, 59 a mais do que o total existente no momento da leitura do requerimento para a criação da comissão. O número de senadores permaneceu em 72. A designação dos integrantes (15 deputados e 15 senadores, com igual número de suplentes) da comissão será anunciada na terça-feira (24) – prazo final para os partidos indicarem seus representantes – às 19h30, em sessão conjunta do Congresso Nacional.

O senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) confirmou, por meio de sua assessoria, que aceitou o convite para presidir a CPMI. O PT, porém, ainda não indicou nomes para o colegiado nem decidiu quem será o relator.