Delta anuncia afastamento de consórcio que reforma Maracanã

Empreiteira foi citada em conversas telefônicas do contraventor Carlinhos Cachoeira

Depois de fortes indícios de ligações entre a empreiteira Delta Construtora e o esquema do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, conforme divulgado por escutas telefônicas, a Delta vai deixar - até o dia 1º de maio - o consórcio "Maracanã Rio 2014". A empresa detinha 30% de participação no grupo, enquanto a Odebrecht Infraestrutura tinha 49% e Andrade Gutierrez outros 21%. A assessoria do consórcio nega que a mudança atrase as obras de reforma do estádio para a Copa de 2014.

Orçada inicialmente em R$ 700 milhões, as obras do Estádio Mário Filho subiram vertiginosamente passando a custar R$ 931 milhões em junho do ano passado. Depois de o Tribunal de Contas da União identificar sobrepreço no orçamento, o valor foi reduzido para R$ 859 milhões. 

Depois da divulgação de conversas telefônicas do contraventor Carlinhos cachoeira citarem a Delta e seu proprietário Fernando Cavendish, este mostra-se como um grande golpe sofrido pela construtora. A Delta Construtora era líder de projetos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

A assessoria de imprensa da Delta informou que a empresa não vai se pronunciar sobre o afastamento por enquanto.