Polícia Federal investiga ligação entre construtora Delta e Cachoeira 

Após o Jornal do Brasil revelar em primeira mão o relacionamento estreito de Claudio Abreu, ex-diretor regional do Centro Oeste da empreiteira Delta, com o bicheiro Carlinhos Cachoeira - responsável pela exploração de máquinas caça-níqueis em Goiás, a empresa tenta se defender. Em comunicado, "afirma estar sendo exposta injustamente e tendo comprometida a reputação de seu bom nome corporativo em razão da profundidade e da extensão da relação pessoal de um ex-diretor regional da empresa com uma personagem do meio empresarial que ora é investigada pelo Ministério Público Federal". Abreu foi afastado do cargo.

Pelas informações contidas nos documentos da Operação Monte Carlo, Cacheira usou, repetidas vezes, sua influência para tentar saber antecipadamente sobre investigações e ações judiciais contra a Delta. Ao que tudo indica, a construtora pagava pelo serviço de inteligência, já que em uma das conversas membros da organização criminosa mencionam uma dívida de R$ 30 mil da empresa, pelos serviços prestados. Além disso, de acordo com o Ministério Público, as escutas de ligações entre Cláudio Abreu e membros da quadrilha mostraram o então diretor gabando-se, em diversos momentos, da influência do aliado.

Há nove meses, o acidente com um helicóptero, em Trancoso, na Bahia, que matou sete pessoas, entre elas a namorada do filho do governador do Rio de Janeiro, acabou por trazer à tona as estreitas ligações de Sérgio Cabral com o empresário Fernando Cavendish, dono da construtora Delta, empreiteira responsável pela reforma do Maracanã (em associação com a Odebrecht e a Andrade Gutierrez).

Coincidentemente, a Delta é também a empreiteira que mais recebeu recursos do Programa da Aceleração do Crescimento (PAC). Segundo o portal Transparência, da Controladoria-Geral da União, do total de R$ 11,8 bilhões já gastos pelo governo federal este ano, a Delta Construções foi a que recebeu a maior fatia: R$ 254,6 milhões.

Antes do acidente, o governador almoçou com o empresário, a família dele e os convidados no Villa Vignoble Terravista Resort, em Trancoso. De lá, o grupo começou a ser levado de helicóptero para o Jacumã Ocean Resort, a 15 km. Como eram muitas pessoas, foi preciso fazer mais de uma viagem. O acidente aconteceu com o segundo grupo, quando chovia e havia forte neblina.

Depois do escândalo vir à tona, Cabral anunciou a criação de uma Comissão de Ética para avaliar a conduta da gestão pública do Estado. Essa comissão foi realmente criada, mas a nomeação de pessoas próximas do governador para integrar esse órgão, coloca em xeque a sua independência, segundo avaliou o deputado Paulo Ramos. "Como uma Comissão formada por integrantes do governo, que devem obediência ao governador, terá independência para investigar atos do próprio governador?", indagou o deputado, que vê na comissão "uma tentativa de enganar a população e gastar mais dinheiro público sem que haja nenhum retorno". 

A comissão de Ética da Alta Administração é presidida por Regis Fichtner, chefe da Casa Civil e tesoureiro da campanha de Sérgio Cabral em 2002.