Sarney defende agilidade na apuração de denúncias contra Demóstenes 

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), disse hoje (29) que é preciso colocar em andamento as representações feitas, na Casa, contra o senador Demóstenes Torres (DEM-TO). O PSOL já protocolou representação em que pede a cassação do senador goiano devido às denúncias de ligação do parlamentar com o empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, preso por envolvimento com máquinas caça-níqueis em Goiás.

"As denúncias são graves e o que nós temos aqui é que colocar em andamento as representações que forem feitas", disse Sarney, após reunião com o vice-presidente do Conselho de Ética, Jayme Campos (DEM-MT).

No encontro, ele se declarou impedido de conduzir uma eventual abertura de processo contra Demóstenes, por pertencer ao mesmo partido. "Ele [Jayme Campos] me comunicou que sendo vice-presidente do Conselho acha que a presidência está vaga. E o presidente que teria a competência de decidir sobre a representação. O senador disse que iria consultar o jurídico da Casa para ver que solução teria que tomar", disse Sarney.

A presidência do Conselho de Ética do Senado está vaga desde setembro, quando o senador João Alberto (PMDB-MA) se licenciou para assumir a Casa Civil do Maranhão.