OAB elogia atuação da Polícia Militar na cracolândia em São Paulo

O presidente da Comissão de Segurança Pública da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Arles Gonçalves Júnior, elogiou a atuação da Polícia Militar (PM) na operação iniciada terça-feira na Nova Luz, centro de São Paulo, região que abriga uma cracolândia. Em comunicado enviado ao comandante-geral da PM, coronel Álvaro Batista Camilo, o presidente da comissão parabenizou a corporação "pelo brilhante trabalho realizado nesta operação".

Arles Júnior ressaltou que, com a ação, a PM mandou um recado aos criminosos: "A polícia de São Paulo não permitirá que o crime organizado crie, na cidade, áreas comandadas pelo tráfico". O presidente da comissão da OAB defendeu uma ação enérgica. Desde o dia 3 de janeiro, a polícia e equipes da prefeitura atuam na região da Nova Luz. A ação tem como finalidade restaurar uma área socialmente degradada, além de quebrar a estrutura do tráfico de drogas da região.

Uma das principais vias da Nova Luz, a rua Helvétia, estava intransitável, ocupada por cerca de 400 usuários de crack. Desde o início da operação, 26 t de lixo foram recolhidas. Com um efetivo de 100 homens e apoio do Policiamento de Choque, a PM intensificou o combate ao crime. Até a tarde da última sexta-feira, a polícia havia feito 23 prisões: 16 foragidos da Justiça e sete pessoas presas em flagrante. Aproximadamente 250 pedras de crack foram apreendidas.

Arles passou dois meses na região da cracolândia, onde, segundo ele, ouviu de muitos dependentes que não saíam de lá por falta de ajuda. "O Estado tem de fazer a parte criminal, combatendo o tráfico. (O vício dessas pessoas) faz parte de uma epidemia. Muitos devem ser conduzidas para tratamento, queiram ou não", defendeu ele.