SP: ao menos um é preso após novo confronto de camelôs com polícia no Brás

Um grupo de cerca de 350 camelôs voltou a fazer uma manifestação nesta quarta-feira perto da entrada principal da Feira da Madrugada no Brás, região central de São Paulo. O ato começou pacificamente, no início da madrugada, mas no início da manhã o grupo chegou a fechar os dois sentidos da avenida do Estado, e alguns integrantes depredavam lojas que permanecessem abertas. A polícia agiu para dispersar o grupo e ao menos um homem foi preso.

Pouco após as 7h, o movimento ficou mais violento. Os manifestantes jogaram tijolos, pedras e caixas de madeira nas vias para interromper o fluxo de veículos. Em uma rua lateral, chegaram a arrastar um carro para o meio da via e teriam tentado atear fogo, sem sucesso. A polícia usou bombas de efeito moral e balas de borracha para dispersar a multidão.

Alguns integrantes do protesto hostilizavam os comerciantes que insistiam em manter as lojas abertas. Mesmo aqueles que mantinham as portas à meia altura eram xingados e seus estabelecimentos eram atingidos por chutes, pedras e outros objetos. Algumas lojas chegaram a ter itens saqueados. Os lojistas assistiam ao protesto a partir da rua, com os comércios fechados. Muitos pedestres transitavam rapidamente e com receio pelas vias.

O comando de policiamento parava as manifestações para conversar com a liderança do movimento, mas até após as 10h as partes não haviam chegado a nenhum acordo. O grupo se deslocava principalmente pela rua Oriente, que estava parcialmente bloqueada pela multidão. Um manifestante que atirou a roda de um carrinho de feira na polícia foi preso.

A Tropa de Choque vistoriava os consumidores que entravam na Feira da Madrugada. Pouco após as 9h, o grupo voltou a se dirigir ao galpão onde ocorre a feira. Neste momento, a polícia bloqueou o portão e impediu a entrada e a saída de consumidores, que só foi liberada após a dispersão do grupo.

O motivo do protesto é a proibição pela prefeitura do comércio ilegal nas imediações da Feira da Madrugada, o que levou a polícia a proibir que os ambulantes montassem suas barracas. Na madrugada de ontem também houve protesto que terminou em confronto entre policiais e manifestantes.

Segundo a Polícia Militar, um grupo de cerca de 260 homens e 59 viaturas foi destacado para reforçar o patrulhamento na área desde segunda-feira. Os PMs também tinham apoio da cavalaria e da Tropa de Choque. Uma das principais preocupações era evitar que os manifestantes interrompessem novamente o tráfego na avenida do Estado.