Disputa pelo Senado racha base aliada de Dilma em Alagoas

Portal Terra

MACEIÓ - Uma semana depois do racha oficial no palanque da presidenciável Dilma Rousseff em Alagoas, com o lançamento do senador Fernando Collor (PTB/AL) ao Governo, a disputa ao Senado entre PT e PCdoB dividiu os aliados pró-Dilma no Estado.

O ex-governador Ronaldo Lessa (PDT), que diz estar seguindo as orientações nacionais do PDT e PT, fechou a questão e disse apoiar o nome do ex-deputado federal constituinte Eduardo Bomfim, do PCdoB. O PT rejeita o nome de Bomfim e quer o delegado aposentado da Polícia Federal, José Pinto de Luna, ao Senado.

"Já está decidido e será o Bomfim. Falta apenas os 'finalmente'", disse Lessa. "Veremos depois como fica o Pinto de Luna".

A primeira vaga ao Senado é ocupada pelo líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros, porque, em janeiro, em conversa entre Lessa e o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, Lula pediu ao ex-governador que desistisse de disputar o Senado para apoiar Renan, pedindo que se lançasse a chefia do Executivo Estadual.

A movimentação de Lessa irritou o delegado da PF José Pinto de Luna. "Vou às últimas consequências pelo Senado", disse. "Estão tentando me tirar para limpar a área", afirmou.

A presidente do PT de Maceió, Lenilda Lima, disse que Luna permanece na disputa. "Estamos conversando. Temos um documento da Executiva Estadual, com apoio a Luna". Lessa disse que, se não existir consenso, será feita uma votação entre os partidos da base aliada de Dilma.

O ex-governador disse ainda que na semana que vem será discutido o nome do vice. Por enquanto, disse Lessa, a vaga foi reivindicada pelo PR, que quer indicar a vice-prefeita de Maceió, Lourdinha Lyra. Ela é filha do empresário João Lyra, aliado de Collor e padrinho político do prefeito da capital, Cícero Almeida (PP).