IBGE: brasileiros casaram mais e mais tarde em 2008

Portal Terra

RIO - A pesquisa Estatísticas do Registro Civil, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e divulgada nesta quarta-feira, aponta que o número de casamentos aumentou 4,5% no Brasil em 2008 em relação a 2007 - foram 959.905 uniões no ano passado. Além disso, o instituto afirma que os brasileiros estão casando mais velhos. Os dados se referem a casamentos formais, com registro em cartório, e não incluem uniões informais.

Segundo o IBGE, em 2008, as mulheres entre 20 e 24 anos representaram 29,7% e lideraram o número de casamentos. Mas o dado apresenta queda se comparado com 1998, quando chegou a 31,6% do total. As noivas que se casam entre 25 e 29 anos tiveram aumento e representam 28,4% - o instituto não especifica os números de 1998 nesta faixa etária.

Já os homens entre 25 e 29 anos lideram os casamentos no país - 32,7% do total -, seguidos dos noivos entre 30 e 34 anos - 22,6%. As noivas com mais de 60 anos representam 1,6% do total de casamentos, enquanto os homens nessa faixa etária representam 4%.

A pesquisa indica também que os estados com maior número de casamentos em 2008 são o Acre (12%) e o Espírito Santo (9,6%), sendo que os últimos colocados são Rio Grande do Sul (4,5%) e Pará (4,4%), mas acompanham a média nacional.

De acordo com o IBGE, o aumento no número de casamentos se deve à melhoria no acesso a serviços da Justiça, à procura de casais que já estavam juntos mas queriam oficializar a união e aos casamentos coletivos, que barateiam os custos.

O IBGE afirma que, dos 188.090 pedidos de divórcio feitos em 2008, 71,7% partiram de mulheres. De todos os pedidos, 6.634 foram feitos por pessoas com menos de 20 anos. O número de separações no ano passado foi de 105.044.

O estado com maior número de pedidos de divórcio que partiram de mulheres é o Amazonas, com 77,3%. A Paraíba é o estado com maior iniciativa dos homens, com 41,4%.

A idade média em que homens e mulheres se divorciam também é diferente: 43 e 40 anos, respectivamente. Em 1998, a média era de 40 e 37 anos, respectivamente.

As mulheres também lideram o ganho de guarda dos filhos, com 88,7%. De acordo com o IBGE, esse dado explica porque 7,4% das uniões ocorrem entre homens divorciados e mulheres solteiras, contra 4,1% entre mulheres divorciadas e homens solteiros.

O Instituto afirma também que os divórcios diretos, com menos trâmites na Justiça, representam 70,1% do total.