Conar: Justiça já tem barrado anúncios

Luciana Abade, Jornal do Brasil

BRASÍLIA - O Conselho de Autorregulamentação Publicitária (Conar) avisa que dado o rigor de normas éticas postas em prática mais o monitoramento minucioso pela equipe das peças publicitárias do gênero associado às denúncias de consumidores e autoridades , cresceu o número de representações abertas e liminares concedias. Desde dezembro de 2008, o órgão sustou, liminarmente, dez anúncios dirigidos crianças e adolescentes.

Ainda segundo a assessoria, em junho de 2006 o Conar adotou novos modelos éticos para a publicidade de produtos e serviços destinados à criança. Desde então, mensagens como peça a mamãe para comprar ou não fique fora dessa estão proibidas. Na publicidade que se utiliza de personagens do universo infantil, a recomendação é que as veiculações ocorram apenas nos intervalos comerciais, de modo a evitar confusão entre conteúdo editorial e espaço publicitário e que não haja estímulos imperativos, especialmente se apresentados por pais e professores, com exceção para campanhas educativas. (L.A.)