Atingidos por chuva no MA resistem em deixar casas

Eveline Cunha, Portal Terra

SÃO LUÍS - A equipe do Corpo de Bombeiros e de agentes da Defesa Civil de São Paulo, que estão no Maranhão para ajudar aos desabrigados, começou a atuar em Bacabal, a 230 km de São Luís, uma das áreas mais afetadas. Nos dois primeiros dias de trabalho, 908 pessoas foram visitadas, mas os bombeiros conseguiram convencer apenas 37 pessoas a deixarem as casas alagadas e se mudarem para os abrigos.

- As pessoas têm receio de que vão roubar o telhado das casas, subtrair os bens dela - explicou o tenente Régis, que veio de São Paulo para fazer parte da montagem do Centro de Gerenciamento de Emergência em Bacabal. Ele afirmou que a corporação não vai desistir e continuará tentando convencer as pessoas.

- É um trabalho de formiguinha. Você vai um dia, volta no outro. A gente vai a todo custo tirar essas pessoas - completou.

Outro problema que causa a resistência em abandonar as áreas alagadas é a situação precária dos abrigos. Um levantamento, coordenado pelo capitão Marcos de Paula, da Defesa Civil de São Paulo, é realizado nesses locais para tentar trazer melhorias.

Nesta tarde, em São Luís, o cônsul dos Estados Unidos para a região Nordeste, Christopher Del Corso, se reunirá com a governadora Roseana Sarney, no Palácio dos Leões, sede administrativa do governo, onde oficializará a doação de US$ 50 mil, que serão repassados para a Cáritas no Maranhão. A quantia é destinada para auxiliar na ação voluntária nas cidades de Bacabal, Pedreiras, Trizidela do Vale, São Luís Gonzaga e Codó.

No fim da manhã desta quarta-feira o helicóptero da Força Aérea Brasileira (FAB) foi acionado para fazer o resgate de 40 moradores que estavam isolados em um povoado do município de Lago Verde (MA). Foi o primeiro resgate de pessoas feito pela equipe da FAB.

Os bombeiros paulistas foram ao Estado com o objetivo de fazer resgate de pessoas que insistem em continuar vivendo nas casas que estão nas áreas alagadas. Eles acabaram realizando outras ações, como um resgate ontem de uma criança que se soltou da mãe e foi arrastada pela correnteza. Até mesmo um parto foi feito, na segunda-feira, dentro de uma canoa. Em todo o Maranhão 218 mil pessoas foram atingidas pelas chuvas e quase 80 mil tiveram que abandonar as casas onde moravam.

Preparado para ações de salvamento e resgate, há 19 anos no Corpo de Bombeiros de São Paulo, e já tendo participado de situações como o acidente no metrô de São Paulo, a queda do avião da TAM e as enchentes de Santa Catarina do ano passado, o tenente Régis se mostrou muito emocionado com a situação encontrada no Maranhão, principalmente em relação às crianças.

- O que mexe mesmo são as crianças. A gente tá vendo muitos bebês em casas totalmente alagadas. Isso choca, os bombeiros sentem isso. É o cuidado com crianças que estão em situação totalmente inadequada para se viver - lamentou.