Deputado do castelo é 'querido' por parlamentares, diz Múcio

Portal Terra

BRASÍLIA - O ministro de Relações Institucionais, José Múcio Monteiro, afirmou nesta segunda-feira que o deputado federal Edmar Moreira (DEM-MG), acusado de não ter declarado um castelo avaliado em até R$ 25 milhões, é "querido" por seus colegas parlamentares.

Prova disso, avaliou o coordenador político do governo, é que ele foi eleito mesmo contra seu partido para a segunda vice-presidência da Câmara e, com isso, acumulou a função de corregedor, responsável por analisar denúncias contra os colegas.

Após o desgaste de ter construído o castelo de 36 suítes em uma área de 7 mil m², Moreira renunciou ao cargo na mesa diretora da Câmara e, nesta segunda, entrou com um pedido de desfiliação do DEM junto do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O parlamentar estava sob risco de ser expulso da legenda.

- Sou amigo dele há muitos anos, lamentei o episódio. Se ele foi escolhido pela maioria que foi, significa que ele é um parlamentar querido na Casa - afirmou José Múcio, que discutiu o caso do deputado nesta manhã com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante a reunião semanal de Coordenação Política.

- Havia uma preocupação da Casa, da mesa, do próprio partido. Por uma decisão pessoal que, segundo o deputado, foi inspirada e motivada pela sua família a pedido dos filhos e da família, ele preferiu renunciar - completou o ministro, informando que ainda hoje tentará falar com o amigo deputado.

- Posso lhe assegurar que nós não interferimos nisso. Assim como ele tomou uma iniciativa própria de se candidatar, ele tomou a iniciativa própria (de renunciar).

- No domingo, tentei falar com ele algumas vezes, mas conversei algumas vezes com o presidente Temer (Michel Temer, presidente da Câmara). Vou telefonar - disse.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais