Tarso alerta arrozeiros contra violência em Raposa Serra do Sol

REUTERS

BRASÍLIA - Um dia depois do início do julgamento sobre a demarcação da reserva indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima, o ministro da Justiça, Tarso Genro, alertou os arrozeiros que disputam a área contra o uso da violência e afirmou que o conflito não é uma luta de índios contra branco ou de índio contra arrozeiros.

- Não apelem para a violência que o Estado de direito está chegando à região - avisou o ministro em um recado aos produtores de arroz da região ao falar com jornalistas durante evento no Palácio do Planalto nesta quinta-feira.

- Não adianta estourar pontes, fazer ações violentas contra o Estado e fazer mobilizações que levem à violência. Não é uma vitória de índio contra branco ou de índio contra arrozeiro - afirmou Tarso, acrescentando que, se necessário, haverá reforço na região.

Na véspera, o Supremo Tribunal Federal (STF) interrompeu o julgamento sobre a legalidade da demarcação da reserva em área contínua após pedido de vista do ministro Carlos Alberto Menezes Direito. Antes dele, o relator do caso, ministro Carlos Ayres Britto, votou favoravelmente aos indígenas.

Nesta quinta, Tarso parabenizou o voto de Britto, mas lembrou que essa agenda ainda não está encerrada. - Mas achamos que a solução está bem encaminhada - afirmou. Segundo ele, o Ministério da Justiça respeitará a decisão do STF, seja qual for.

A ação que contesta a legalidade da reserva foi apresentada pelos senadores Augusto Botelho (PT-RR) e Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR).