Jornal do Brasil

País - Justiça

Santuário de Aparecida entra na Justiça para reabrir durante pandemia

Jornal do Brasil

O Santuário de Nossa Senhora de Aparecida, localizado na cidade de Aparecida, em São Paulo, pediu na Justiça a reabertura do maior templo católico do país por não haver consenso sobre o isolamento social.

Macaque in the trees
Santuário de Nossa Senhora Aparecida (Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil)

Fechado desde o dia 14 de março por decisão da Justiça, a igreja questionou a decisão ao recorrer na 2ª Vara Cível de Aparecida. "Países como a Suécia não adotaram um mecanismo extremo e sofreram menos do que outros, como a Itália, que adotaram o modelo restritivo estranhamente defendido pela Promotoria. Se o presidente da República diz 'A', o governador diz 'B', o Ministério Público diz 'C' e o STF orienta a 'D'..., o que o cidadão deverá fazer? Em quem acreditar?", diz na peça judicial, segundo o site.

O pedido ainda não foi julgado.

Recentemente, no Tribunal de Justiça do Estado, os gestores do Santuário tentaram derrubar a proibição, que foi negada porque os desembargadores Marcelo Theodósio e Aroldo Viotti afirmaram que a medida protegia a saúde das pessoas.(Ansa)

.

ATUALIZAÇÃO DA NOTÍCIA

10h44 - RESPOSTA DO SANTUÁRIO DE N. S. APARECIDA

Recebemos a nota seguinte, por e-mail, da assessoria de imprensa do Santuário:

"O Santuário Nacional esclarece que informações divulgadas pela imprensa nesta terça (26) sobre a “contestação” apresentada junto à Justiça local, sobre a suspensão da realização de eventos, estão equivocadas. O ato de “contestar”, na terminologia jurídica, representa a defesa processual de resposta a uma ação judicial, neste caso, aquela proposta pelo Ministério Público, em 14 de março de 2020

 

"A descontextualização da terminologia jurídica levou a uma interpretação errônea nas matérias jornalísticas publicadas, pois em nada condiz com o teor e fundamento das alegações de mérito processual entregues a Justiça.

 

"Reforça-se que o Santuário Nacional vem cumprindo com rigor todas as determinações das autoridades e em nenhum momento questiona o isolamento ou se posiciona contrario ou qualquer outra medida de contingenciamento.

 

"Algumas reportagens trataram como novo, fato antigo, pois trata-se de ação judicial de 14 de março, anterior, inclusive, a decretação de Quarentena no Estado de São Paulo. A redação das matérias levam ao errôneo entendimento que a instituição está questionando medidas atuais adotadas pelo Governo paulista. O Santuário em nenhum momento questiona as medidas de isolamento social ou mesmo seu formato.

 

"Como o jornalista do Portal UOL, primeiro veículo a publicar o conteúdo que posteriormente foi replicado por outros meios, não procurou previamente o Santuário Nacional para redação de seu texto, se faz necessário esclarecer esta contextualização para o entendimento correto das ações praticadas.

 

"A retomada da realização de celebrações litúrgicas com a presença do povo, só acontecerá quando o poder público indicar esta possibilidade, bem como a Arquidiocese de Aparecida orientar.

 

"Cumpre ressaltar ainda que o Santuário já vinha tomando, desde antes do processo, atitudes para o combate da Covid-19 e que sempre esteve atento a todas as normas sanitárias emanadas pelas autoridades competentes."