Jornal do Brasil

País - Informe JB

Polícia Federal teria atrasado operação para ajudar eleição de Bolsonaro no segundo turno

Jornal do Brasil
Macaque in the trees
O empresário Paulo Marinho (Foto: Diário do Centro do Mundo)
 

A informação circula na edição deste domingo (17) da "Folha de S. Paulo".

Em entrevista à jornalista Mônica Bergamo, o empresário carioca Paulo Marinho, coordenador da campanha de Jair Bolsonaro e suplente do senador Flávio Bolsonaro, garante que um delegado da Polícia Federal antecipou ao filho do presidente que aconteceria uma operação contra ele (filho) antes do segundo turno das eleições presidenciais, naquele caso Queiroz, e que a tal operação foi atrasada pela Polícia Federal para que o escândalo não interferisse no resultado das urnas - não prejudicasse a eleição do "mito".

DUAS PERGUNTAS E RESPOSTAS DA BOMBÁSTICA ENTREVISTA:

"E o governo Bolsonaro?

"Eu não sei fazer essa futurologia em relação ao governo Bolsonaro. Mas estamos praticamente no meio do mandato e até aqui não aconteceu absolutamente nada. Foram dois anos perdidos. Toda sorte que ele teve na campanha eleitoral, foi o contrário no governo. Um governante pegar uma pandemia no meio de um mandato, que vai retrair a economia em 6%, 8%, é inimaginável.

"O capitão não tem capacidade pessoal de gerir um país em condições normais. E muito menos no meio de uma loucura como essa que nós estamos vivendo. Então, são duas as alternativas: ou vamos viver crise atrás de crise ou alguma coisa vai acontecer contra ele, [consequência] de algum crime de responsabilidade que possa praticar ao longo desta crise. E o resto vai ser essa loucura."

"E na campanha já não dava para perceber isso?

A primeira coisa que percebi é que não se tratava de um mito. Outras pessoas do núcleo duro achavam isso. O Gustavo [Bebianno] mesmo tinha pelo capitão uma admiração. Achava que ele era um estadista, um líder, o homem que iria colocar o Brasil em outro patamar.

"Eu olhava o capitão, com aquele jeito tosco dele, e algumas coisas me chamavam a atenção. Por exemplo: ele era incapaz de agradecer às pessoas. Chegava uma empregada minha, servia a ele um café, um assistente entregava um papel, e ele nunca dizia um obrigado. Eu nunca ouvi, durante o ano e meio em que convivi, ele expressar a palavra obrigado a alguém.

"Um gesto mínimo. Pode não parecer nada, mas demonstra uma faceta da personalidade dele. Será que é uma pessoa apenas de maus hábitos, que não tem educação?

"As piadas eram sempre homofóbicas. Os asseclas riam, mas elas não tinham nenhuma graça. E, no final, ele realmente despreza o ser feminino. Tratava as mulheres como um ser inferior.

"Não tinha uma mulher na campanha dele. Nunca houve. A única, a distância, foi a Joice [Hasselmann, deputada federal], que ficava em São Paulo. Não tinha mulher na campanha dele, só homem.

"Ele gostava mesmo era de conversar com os seguranças dele. Policiais militares, batedores. Ele se sentia em casa, ficava horas conversando, contando piada."