Ato em São Paulo a favor de Trump e contra a 'vacina da China' junta cerca de 300 pessoas

Manifestantes pró-Bolsonaro que foram à Avenida Paulista protestar contra o governador João Doria exibiam faixas desaprovando a obrigatoriedade da vacinação contra covid-19

Folhapress / Marlene Bergamo
Credit...Folhapress / Marlene Bergamo

Um grupo estimado em cerca de 300 apoiadores do presidente Jair Bolsonaro promoveu nesse domingo (1º) um protesto na Avenida Paulista. Eles são contra o apoio do governador do estado, João Doria, à imunização obrigatória em São Paulo, e ao uso da vacina desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan.

A manifestação começou por volta das 14 horas em frente ao Masp. O ato foi convocado pelo deputado estadual Douglas Garcia.

Os manifestantes exibiam placas em defesa do presidente Bolsonaro. Uma delas com seguinte frase: "Não somos cobaias". Outro usava uma máscara que dizia "não à vacina". Muitos se amontoaram e não usavam máscaras.

Por meio de nota, o governo de São Paulo afirmou que "respeita o direito democrático à livre manifestação, mas lamenta que o obscurantismo ideológico insuflado por uma minoria raivosa em redes sociais seja usado para espalhar pânico e desinformação".

Doria já havia se manifestado a favor de tornar as vacinas obrigatórias quando disponíveis, gerando uma disputa com o presidente Jair Bolsonaro, que promete que será um processo voluntário.

O presidente do Supremo Tribunal Federal afirmou que, em última instância, o colegiado decide a questão.

O Ministério da Saúde anunciou no mês passado que compraria 46 milhões de doses da vacina, enquanto se aguarda a aprovação regulatória pela Anvisa. Porém, um dia depois, Bolsonaro afirmou que o Brasil não compraria a vacina, no que foi contrariado pelo vice-presidente Hamilton Mourão, que disse que o Brasil vai comprar a vacina, sim. (com agência Sputnik Brasil)