Jornal do Brasil

País - Eleições 2018

Racista e autoritário: O que a imprensa internacional acha de Bolsonaro

Jornais internacionais demonstraram preocupação com eleições

Jornal do Brasil

Boa parte da imprensa internacional amanheceu nesta segunda-feira (8) fazendo fortes críticas ao candidato do PSL à Presidência do Brasil, Jair Bolsonaro. O presidenciável mais votado no primeiro turno, com 46% dos votos válidos, foi chamado de "racista", "autoritário", "machista" e "homofobico".

O espanhol "El Pais" afirmou que Bolsonaro "é um adorador da ditadura que impôs ao Brasil uma de suas épocas mais obscuras durante 20 anos". O diário também ressaltou que o candidato é "o defensor dos valores mais retrógrados" e o chamou de "machista", "racista" e "homofobico".

Macaque in the trees
Jair Bolsonaro (Foto: WILTON JUNIOR/ESTADAO)

"Apenas uma reviravolta radical em 28 de outubro evitará que a extrema-direita governe a partir de 1 de janeiro o maior país da América Latina", disse o jornal.

Já o diário britânico "The Guardian" comparou a campanha eleitoral brasileira a uma típica "telenovela", "apesar de ter infinitamente mais consequências para o futuro de uma das maiores e mais diversificadas democracias do mundo", o Brasil. A publicação salientou que as próximas três semanas serão de "loucura" pelo país, que tende a ficar ainda mais dividido entre esquerda e direita.

Já a "BBC" destacou que o partido de Bolsonaro, o Partido Social Liberal (PSL), era "insignificante, mas agora se tonou uma das maiores forças no Congresso" com o apoio de eleitores que reclamam do PT e de uma "recessão prolongada, aumento da violência e do maior escândalo de corrupção na América Latina".

"Pela América Latina, Bolsonaro também usou uma estratégia de campanha popular: não vote na esquerda para não terminarmos como a Venezuela", disse o site da emissora britânica. "Ele prometeu punições duras para os infratores e o relaxamento da posse de armas. Também falou de tortura como uma prática legítima e quer restaurar a pena de morte".

Por sua vez, o jornal "The New York Times" relembrou o passado de Bolsonaro e disse que "ele pode se tornar um líder autoritário nos moldes de Recep Tayyip Erdogan, da Turquia, e Rodrigo Duterte, das Filipinas". "Antes de concorrer à Presidência, Bolsonaro, um capitão da reserva com poucos projetos apresentados em seus sete mandatos no Congresso, foi processado por discurso de ódio de homofobia, misoginia e racismo. Ele também demonstra admiração e nostalgia pela ditadura militar no Brasil, durante a qual 434 pessoas morreram ou desapareceram e centenas foram torturadas entre 1964 e 1985", disse o NYT.

"Será um produto das fake news, da onda conservadora que domina um pouco o mundo todo e da repulsa à esquerda que governa mal, mas o personagem de Jair Messias Bolsonaro, o capitão do Exército que está a um passo da Presidência, tem um percurso único", afirmou o italiano "Corriere della Sera". "Há poucos anos, teria sido inconcebível que um nostálgico da ditadura, com ódio aos gays, pronto a colocar um fuzil na casa de cada cidadão, possa tomar as rédeas do maior país da América Latina", pontuou. O francês "Le Monde" comentou que o segundo turno, marcado para 28 de outubro, será "imprevisível", com Jair Bolsonaro e seu concorrente, o professor e ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, do PT, brigando pelos votos de centro.



Recomendadas para você