Brasil cai 5 posições no Índice de Desenvolvimento Humano no 1º ano do governo Bolsonaro

O IDH leva em conta indicadores de saúde, educação e renda em cada país

Foto: Folhapress / Cezar Magalhães / Raw Image
Credit...Foto: Folhapress / Cezar Magalhães / Raw Image

Com avanço discreto no índice, Brasil ocupa a sexta posição entre os 12 países da América do Sul e está atrás de Cuba, México e Omã, mas à frente de China, África do Sul e Líbano.

No primeiro ano do governo Bolsonaro, o Índice de Desenvolvimento Humano do Brasil apresentou um pequeno avanço, mas perdeu cinco posições no ranking mundial de países com melhor qualidade de vida.

O IDH brasileiro está atualmente em 0,765 – um aumento de 0,003 em relação ao índice de 0,762 divulgado no ano passado. Com este IDH, o Brasil ocupa a 84ª posição no ranking mundial. No ano passado, o país era o 79º.

O índice foi divulgado nesta terça-feira (15) no Relatório de Desenvolvimento Humano, publicado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). O documento, que lista o Índice de Desenvolvimento Humano de 189 países, diz respeito ao ano anterior. Desta forma, o IDH publicado nesta terça-feira (15) faz referência ao ano de 2019.

O IDH leva em conta indicadores de saúde, educação e renda em cada país – quanto mais próximo de 1, mais alto é o desenvolvimento humano. O primeiro país do ranking é a Noruega, cujo IDH é de 0,957. O pior índice é o de Níger, com 0,394.

Apesar do pequeno avanço no IDH, o Brasil caiu duas posições no ranking dos países da América do Sul e agora ocupa o 6º lugar entre os 12 países da região. O Brasil está atrás de Chile (0,851), Argentina (0,845), Uruguai (0,817), Peru (0,777) e Colômbia (0,767).

Outros países que estão à frente do Brasil são México (0,779), Cuba (0,783), Costa Rica (0,810) e Omã (0,813). Por outro lado, o Brasil está acima de países como China (0,761), Líbano (0,744) e África do Sul (0,709).(com agência Sputnik Brasil)