O Clube do Rio e o setor imobiliário

..
Credit.....

A recente morte, em outubro, do advogado e empresário Theophilo de Azeredo Santos, aos 90 anos, trouxe lembranças sobre o Rio de Janeiro que devem ser resgatadas e tomadas como exemplo para o futuro.

Conheci Theophilo de Azeredo Santos nos anos 70. Quando o setor da construção civil havia se desenvolvido bastante. E ele, junto comigo e com outros parceiros, participou da criação da ADEMI, Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário.

Os anos 70 foram excelentes para o setor. Criado pela Lei 4380, de 1964, o Sistema Financeiro da Habitação fez crescer os depósitos em cadernetas de poupança.

Os recursos do FGTS também expandiram como resultado do aumento do nível de emprego e da massa salarial do país.

Surgiram as Sociedades de Crédito Imobiliário e as Associações de Poupança e Empréstimo. Que formaram o Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo- SBPE -, integrado por instituições financeiras especializadas na concessão de financiamentos habitacionais, tendo como fontes de recursos os depósitos em cadernetas de poupança, letras imobiliárias e repasses dos recursos do FGTS.

A criação da ADEMI, no Rio de Janeiro, aconteceu em 28 de janeiro de 1971. Um grupo formado pelos principais empresários do mercado imobiliário se reuniu para fundar a mais importante entidade do setor na capital carioca.

Liderados por Abrahão Hermano Ribenboim, Carlos Moacyr Gomes de Almeida, Donald Stewart, Jacob Steinberg, José Carlos Lopes da Costa, José Carlos Mello Ourivio, José Henrique de Aquino, José Isaac Peres, Júlio Bogoricin, Júlio Coacy Pereira, Luiz Chor, Luiz de Castro Dodsworth Martins, Luiz Eugênio Freire, Marco Aurélio Issler e Teófilo Carlos Magalhães, todos pretendiam aumentar a participação do empresariado nas discussões dos temas de interesse para a indústria da construção civil.

O Rio de Janeiro passou por um momento excepcional nos anos 70. Os imóveis lançados eram vendidos imediatamente. Além do incremento no setor, a construção do Túnel Rebouças e do Aterro do Flamengo trouxe a valorização dos bairros da Zona Sul, como Ipanema, Leblon e Lagoa.

Embora tenha sido líder da UDN, no governo de Carlos Lacerda, eu tinha sido cassado em 1969. Por ter participado da Frente Ampla (com Carlos Lacerda, Juscelino Kubitschek e João Goulart). Não podia voltar para a política. Voltei para a profissão de corretor. E de empresário do setor imobiliário.

Tomei posse como presidente da ADEMI em 1978. E, logo em seguida, com o apoio de amigos, como Theophilo de Azeredo Santos, Mário Henrique Simonsen, Rui Barreto, Cândido Mendes de Almeida, Adolpho Bloch, Manuel Francisco do Nascimento Brito, Ruy Barreto, João Donato, Dom Eugênio Sales, entre outros, criamos o Clube do Rio, em 1981.

Nosso objetivo era o de propor caminhos e cobrar a realização de projetos vitais para o Rio de Janeiro. Como, a Linha Vermelha, a Duplicação do Aeroporto Internacional e a revitalização do Porto do Rio. Projetos que, mais cedo ou mais tarde, acabaram por se concretizar.

Pelo menos uma vez por mês, até o último ano de minha gestão na presidência da ADEMI (de 1978 a 1984), o Clube do Rio se reunia. Foi uma época gloriosa.

O Rio de Janeiro sempre teve uma consciência nacional. Todos os segmentos da sociedade carioca e fluminense sempre pensaram para o Brasil. Não para o Estado.

O Clube do Rio, além de reunir notáveis, em torno dos problemas da cidade e do Estado do Rio de Janeiro, serviu para consolidar a importância da ADEMI para a política regional e para a política nacional.

Paralelamente aos encontros mensais que mantivemos durante anos, em almoços do Clube do Rio, a ADEMI realizava encontros semanais com políticos, intelectuais e autoridades dos mais importantes segmentos.

Em 1981, lançamos pelos jornais e outdoors a campanha "Imóvel vale mais do que dinheiro". Em 1985, junto com o Sinduscon, a ADEMI destacou, também nos jornais, a importância da abertura da fábrica da Volkswagen no Estado do Rio de Janeiro: "A Volkswagen vai ajudar a transformar esse terreno num dos mais valorizados do país ".

*Empresário, ex-deputado e ex-presidente da Ademi.