Publicidade

O retorno as igrejas

Vivemos tempos difíceis, mas cheios de fé, alicerçados na certeza do amor de Deus por nós! Durante a pandemia do coronav&i...

Vivemos tempos difíceis, mas cheios de fé, alicerçados na certeza do amor de Deus por nós! Durante a pandemia do coronavírus, desde 20 de março as igrejas da Arquidiocese do Rio de Janeiro não estão tendo celebrações com a presença dos fiéis. No entanto, mesmo com a ausência do povo nós padres continuamos, todos os dias, celebrando a Eucaristia e propagamos a experiência do exercício da fé católica através do virtual.

Com essa nova realidade foi necessária uma verdadeira redescoberta da nossa missão, e não faltou criatividade. Muitos que estavam afastados, voltaram a vivenciar a fé. Outros, alimentaram a esperança através das missas diárias online. Em tempo de isolamento social, a Igreja, os padres e católicos engajados foram uma importante companhia.

Mas chegou o momento tão desejado: está na hora de retornar à igreja! E para isso temos que nos adaptar ao “novo normal”. O que é novo muitas vezes gera medo, mas as igrejas estão preparadas para o retorno prudente e gradual a partir do dia 4 de julho. Tudo isso foi decidido ouvindo o clero e também médicos, cientistas, infectologistas e epidemiologistas que auxiliam e orientam sobre o assunto.

A grande preocupação da Igreja é com a vida, desde a concepção até a morte natural. Vamos voltar às missas presenciais, mas com muita responsabilidade, providenciando um ambiente seguro e saudável. Há necessidade da higienização, do respeito ao número reduzido de fiéis, do distanciamento entre as pessoas, do uso de máscaras, de álcool em gel e de todas as demais precauções para que cada pessoa não corra riscos.

Continua válido o decreto que dispensa do cumprimento do preceito dominical os idosos e todos aqueles que ainda não se sentem seguros para a participação presencial. Por isso, as celebrações continuarão sendo transmitidas pelos meios de comunicação.

Que conscientes das mudanças, da responsabilidade de cada um, e, acima de tudo, com o coração alegre por esse retorno à Casa do Senhor sejamos portadores da esperança em meio a tantas dificuldades.