O Bitcoin no longo caminho da maturidade

Em um artigo recente, o autor André Franco (engenheiro e especialista em criptomoedas) avançou a teoria de que o Bitcoin está apenas no início de um longo caminho que o levará a tornar-se uma das principais soluções tecnológicas adotadas pela sociedade, a nível mundial. Ou seja, a era do Bitcoin está apenas começando. O autor acrescenta ainda vários argumentos que valem a pena considerar e refletir, ainda que o leitor possa discordar. Vale lembrar que as opiniões de André Franco em nada vinculam nossa própria posição editorial sobre o assunto.

A teoria do ciclo das tecnologias

Franco se refere à obra “Technological Revolutions and Financial Capital: The Dynamics of Bubbles and Golden Ages”, de Carlota Pérez. No livro, a autora apresenta uma hipótese para o desenvolvimento das inovações tecnológicas que lembra a tradicional teoria do ciclo de vida do produto da ciência econômica. Segundo Pérez, todas as grandes inovações tecnológicas que revolucionaram nossas sociedades passaram por quatro fases: a irrupção, o frenesi, a sinergia e a maturidade. Franco refere exemplos importantes dados por Pérez, nomeadamente a máquina a vapor, a energia elétrica e a própria internet.

O exemplo das empresas “dot com"

Ora, segundo Franco, a história econômica das últimas duas décadas vem dar razão a Carlota Pérez. Publicado em 2002, o livro foi escrito em meio à chamada Bolha da Internet, um período em que o entusiasmo do mercado pelas empresas tecnológicas levou a um crash que se concretizou em 2001. Pérez argumentava que entre as fases de frenesi e a de sinergia há um momento de crise até que as expectativas e as possibilidades da inovação tecnológica se encontrem novamente.

Franco argumenta que a autora “acertou em cheio” e que as empresas “dot com”, como também são chamadas as tecnológicas, recobraram a importância que pareciam estar a perder no momento do crash de 2001. E isso acontece porque seu potencial de inovação é real e se manifesta no longo prazo.

Franco conclui que o Bitcoin está ainda em sua primeira frase, e que o momento de incerteza de 2017 não foi ainda o momento de crise. Isso porque o Bitcoin só agora começará a se afirmar como alternativa em grande escala, e não apenas como objeto de interesse de algumas pessoas comuns procurando enriquecer.

Bitcoin ou criptomoeda?

André Franco poderá estar sendo um pouco otimista relativamente à Bitcoin. Mas de uma coisa ninguém deverá duvidar: da importância que as criptomoedas e a própria tecnologia blockchain terão no futuro. O blockchain é um sistema totalmente revolucionário, no sentido em que permite gerar confiança a um nível nunca antes visto na História. E a confiança é um dos valores chave que permite à sociedade fazer negócio, trabalhar, acumular e prosperar.

As criptomoedas permitem funcionar de modo independente dos governos e dos bancos centrais devido à aplicação prática dos princípios do blockchain. O cidadão comum não precisa da lei ou de um banco central para confiar em uma criptomoeda; só precisa entender a tecnologia. Ora, qualquer tecnologia pode parecer demasiado científica no início mas depois se torna totalmente comum. Em 1920 explicar a ideia de internet era quase impossível (Nikola Tesla tentou fazer isso); hoje, todo mundo usa a net sem dúvidas e sem questionar, achando que é algo banal. O blockchain tem todo o potencial para fazer o mesmo com as criptomoedas no futuro.