Jornal do Brasil

País - Artigo

Confusão sistemática

Jornal do Brasil TARCISIO PADILHA JUNIOR, tarcisiopadilhajunior@yahoo.com.br

"Em Dostoiévski, deparamos nossos próprios pensamentos ocultos, que não confessaríamos nem a nós mesmos", disse Merejkovski. Consciência que tinha a ver com a epilepsia, agravada no processo por conspiração política movido arbitrariamente contra ele em 1849. 

Para o genial escritor, determinadas conquistas da alma e do conhecimento não podem existir sem a a presença da doença. Dificilmente haverá afirmação mais inconsequente do que "a doença só pode gerar coisas doentias", nesse tempo de um novo coronavírus.

 

A realidade trazida pela nova doença expõe a crise da demarcação nítida entre o objeto - o ser vivo, aqui o vírus - e o meio ambiente.

A atenção nos conecta com o mundo, melhor vacina contra ideologias. Faltando, tudo tende ser artificioso: palavras já não dizem das coisas.

 

Numa conversação, não se deve tratar, apenas nem principalmente, de argumentar e de convencer para chegar a determinados acordos.

Para compreender o que realmente diz o interlocutor, é necessário uma sensibilidade e uma abertura que não acontecem automaticamente.

 

A complicação é uma característica bastante notória do atual momento político, é como um desnecessário adicional de complexidade.

E, sobretudo, é preocupante como um processo incapacitante de compreensão, já que, depois da complicação, vem imediatamente a confusão.

 

Confusão sistemática em ações empreendidas nas diferentes esferas de governo - federal, estadual e municipal -, na esteira da disputa política.

 

Temos de aprender a pensar a ordem e a desordem ao mesmo tempo. Hoje a ordem, como a desordem, está ligada à ideia das interações.

 

Engenheiro, é autor de "Por Inteiro" (Editora Multifoco, 2019)