Jornal do Brasil

País - Artigo

As chuvas e os problemas de gestão

Jornal do Brasil EVERTON GOMES, redacao@jb.com.br

As chuvas fortes e suas consequências são um conhecido problema da cidade do Rio de Janeiro.

Sabemos que a realidade é cruel, até para quem sonha . E que, os graves danos provocados por inundações estão bem distantes de serem como as românticas", águas de março" da música composta por Tom Jobim em 1972, e que teve como sua principal intérprete a cantora Elis Regina.

 

A emergência climática , fruto do aquecimento global, intensifica a ocorrência das fortes tempestades e sabemos que as regiões mais afetadas estão em países com grande desigualdade social e com administrações que não privilegiaram o bem estar da população , como o Brasil.

Os custos são altos , há poucos recursos e falta vontade política.

No caso carioca, o problema ainda se agrava, já que somos uma bela obra urbana em meio a morros e alagados.

 

Torna-se, nesse sentido , fundamental uma governança pró-ativa e ambientalmente responsável.

Precisamos percorrer os caminhos já conhecidos de países construídos com infraestrutura sólida. Temos alguns exemplos, de sociedades que resistem às chuvas e tempestades, para seguir.

Entre as opções, uma delas é o conceito de cidades esponjas. Que existem na China ( A cidade sagrada), na Europa e nos EUA.

 

Nelas os parques urbanos lineares auxiliam na captação das águas que transbordam dos rios e se acumulam nas vias.

 

Certamente, essa é uma opção menos custosa e que produz como efeito direto , mais qualidade de vida e bem estar. Reduzir a impermeabilização do asfalto é um caminho simples e que pode ajudar muito o Rio.

Infelizmente, o que assistimos no Rio de Janeiro é a Prefeitura deixar os parques ao abandono.

A administração municipal deveria ser a maior interessada na criação de soluções.

 

Uma das regiões mais afetadas pela intensa chuva dos últimos dias foi o bairro de Realengo, que tem projeto de lei ( PL 32/2017) sugerindo a flexibilização de padrões urbanísticos, de forma a impedir a construção de um parque (Parque Verde de Realengo) em troca de 12 prédios de 10 andares numa área de 142 mil/m².

 

Próximo dali, a mesma ameaça recai sobre a Floresta do Camboatá, onde a Prefeitura insiste em querer derrubar duzentas mil árvores para a construção de um duvidoso empreendimento automobilístico.

A verdade é que as chuvas são um fenômeno natural que não pode ser evitado, mas seus efeitos certamente poderão ser minimizados caso exista trabalho sério por parte das autoridades e um novo olhar sobre o desenvolvimento de nosso Rio e que a população se mobilize para pressionar os políticos responsáveis pela administração.

Cientista político, vice-presidente da Fundação Leonel Brizola, porta-voz do Coletivo Rio Boa Praça .