Jornal do Brasil

País - Artigo

Um dos fundamentos do exercício democrático e transparente do poder

Jornal do Brasil TARCISIO PADILHA JUNIOR *, tarcisiopadilhajunior@yahoo.com.br

Moral e ciência, moral e desenvolvimento técnico, moral e mundo dos negócios. E entre moral e política?

"No plano moral a distinção de fundo é entre bom e mau; ações e motivos políticos distinguem amigo de inimigo", diz Carl Schmitt.

Regimes totalitários imaginaram a sociedade como uma máquina social, e levaram ao crime esta lógica no século XX.

Porém, democracia é um regime em que a maioria das decisões é tomada mediante acordos entre grupos diversos. Uma lógica que destrói os antigos padrões políticos, nos quais se organizava tradicionalmente o combate democrático.

A criação de um poder torna-se mais importante que a transmissão de um poder: ao legitimar o sucesso individual ao mesmo tempo que exorta cada indivíduo a se associar a outros em projetos comuns, traz dinamismo à sociedade.

Acreditamos que democracia é mais que o triunfo do número e dos procedimentos eleitorais. A democracia do agir - na qual a hierarquia de valores e de pessoas é constantemente modificada pelo movimento da ação - escapa ao efêmero.

Preferências individuais tão diversas como as que se exprimem em uma sociedade só podem se articular entre si se a transparência for a maior possível e, principalmente, se a integridade dos procedimentos estiver realmente assegurada.

A integridade dos procedimentos é a condição da tolerância, corresponde a exigência mais profunda que a do bom funcionamento dos mercados. Confere fundamental importância à mobilização de recursos para um determinado projeto.

Um dos fundamentos do exercício democrático e transparente do poder é organização a separação do saber e do poder.

* Engenheiro