Buscar novas formas de cooperação

Encarnar o espírito crítico que não se acomoda, ou não deveria se acomodar, numa política acabada é o principal desafio que vai se apresentar, de agora em diante, ao presidente eleito, Jair Bolsonaro.

A capacidade de interpretar a realidade presente vai depender de perceber sinais presentes como dados de uma realidade mais ampla e profunda do que fatos isolados parecem indicar.

Disposição de adiar ganhos presentes em nome da possibilidade de ousar para o futuro é uma característica fundamental e estruturante do contexto no qual o próximo presidente deverá operar. Em nossa sociedade historicamente autoritária, o poder é pensado como algo que controla, limita, diminui.

O fato de termos construído uma cultura com viés autoritário não significa que tenhamos que considerar que somos determinados por ela. Nesta mesma cultura existem elementos que são motores da competitividade, como a propensão à colaboração e à ação em rede, com alta sociabilidade.

Numa sociedade em rede, as organizações são os meios privilegiados para estruturar as interações, é por meio delas que criamos ciência, tecnologia, educação. Numa dimensão essencialmente coletiva, o poder cria os contextos organizados dentro dos quais a ação humana ganha potência e impulso criador.

O sistema econômico e social privilegia a constante criação de novos produtos e serviços não massificados. Ocorre com engajamento de empresas, exercendo novo papel de agentes da inovação. “Veremos cada vez mais organizações funcionando como bandas de jazz, nas quais a liderança muda de acordo com as circunstâncias e é independente do posto de cada membro”, diz Peter Drucker.

Para tanto, criatividade é um diferencial que a empresa precisa procurar no seu capital humano.

A criatividade realmente encontra soluções com menos ou nenhum recurso material. Em vez de esperar o desenvolvimento demorado de um novo remédio, uma ideia nova pode ser a cura rápida. Uma pessoa com atitude criativa responde ao desafio de achar um caminho para atingir um objetivo.

O contexto social mais amplo em que empresas e governo estão inseridos pode influenciar positivamente o clima de investimentos de duas formas: a confiança entre os participantes do mercado e a confiança que os cidadãos depositam nas empresas e nos mercados. Um número pequeno de investimentos de longo prazo tende a criar menos empregos e aumentar menos os salários.

Contextos compreendidos como espaços para a promoção do diálogo e o exercício da razão crítica orientam a ação coletiva mediante um esforço paciente e ordenado para a mudança de consciência. Se Einstein ainda estivesse por aí, por certo diria que é necessário buscar um patamar superior de cooperação.

O novo governo deverá promover uma cooperação baseada nas relações de confiança percebidas pelos indivíduos conectados em rede numa sociedade plural. Relações recíprocas de confiança reduzem as incertezas do presente e apostam em interações que possam produzir benefícios futuros.

Buscar novas formas de cooperação capazes de promover o desenvolvimento econômico e social é fundamental para resolver os dilemas do trabalho num mundo cada vez mais complexo e dinâmico. Nos dias que correm, o cidadão conectado se define cada vez mais pela possibilidade de desenvolver uma atividade dentro de um quadro onde os procedimentos obedecem a regras claras e previsíveis.

* Engenheiro