O inesperado e o spoiler

O inesperado traz surpresas, cantou Johnny Alf. E se pensam que me refiro ao WW que saiu das urnas no Rio, enganam-se, ou entraríamos em espaços intangíveis: Wilson Who? Edgar Allan Poe, que cuidava dessas coisas, tinha também um WW. Um, não. Dois. Doideira.

Há meio século, o país também dividido: uns queriam JK 2, o Retorno, outros apoiavam seu maior desafeto: Carlos Lacerda. Final: Cassações: 2 - Eleição: 0. Felizmente, tudo isso é passado e peça de museu, tanto que descubro, exposto no Memorial JK, em livro a ele dedicado: “Com a simpatia e surpreendente, mas compreensível amizade...Carlos Lacerda”.

Dez anos da abortada eleição, os arqui-inimigos, juntos. Surpreendidos, mas, sacando o lance, ainda chamam Goulart, compondo a Frente Ampla, que correspondia, então, ao nosso #Elenão. Perigo extremo: solução extrema.

Para a história carioca, os dois personagens se complementam: o presidente entrega a chave do Catete, e o primeiro governador da GB, como se dizia, ocupa o Guanabara. No entanto, um pouco antes, vamos encontrar JK, em um trator, abrindo caminho para a construção da Perimetral. Que ironia, né não, Duda?

Na mesma linha, a jovem Guanabara, já estado, passa a receber recursos do Fundo Rodoviário, e Lacerda, como também seu sucessor e adversário Negrão de Lima, abrirá túneis e tantos viadutos, que alguém criaria a expressão “viadutagem”. Carro não tem partido. Todos o amam, e não há ninguém que ouse acabar com a maluquice, que já completou 50 anos, de levar mais deles para o Centro, invertendo a mão das avenidas litorâneas.

O Plano de Brasília, abraçado por JK, ou o Doxiádis, contratado por Lacerda, que o leva a Atenas, dias após o golpe de 64, para o qual tanto conspirou, são, ambos, na essência, rodoviaristas. Não foi, portanto, o urbanismo que os separou.

E o que sabemos sobre as ideias de Jair Bolsonaro e Haddad para as cidades? Baixe os planos de governo. O do primeiro é uma bem composta apresentação, mais para convencer do que para informar: o Projeto Fênix. O de Haddad é produto de quem já foi governo.

O de Jair tem um slogan: “Mais Brasil e Menos Brasília” e suas Linhas de Ação, em três áreas: segurança e combate à corrupção; economia; e saúde e educação. Não existe um item específico sobre cidades, embora indique que as prefeituras terão acesso a verbas de maneira mais simples, mas quando trata especificamente de infraestrutura, as ações se voltam aos setores que atendem ao capital: estradas, portos, energia...

Haddad apresenta alentado documento técnico, percebendo-se a influência de gente da área, apreciadores do Estatuto das Cidades. Das seis grandes ações que compõem o capítulo “Viver Bem nas Cidades”, dois chamam atenção: a disposição de rever o “Minha Casa Minha Vida”, que, penso eu, exceto pelo louvável subsídio ao morador, deveria ser reescrito ab ovo. A outra é o que chama de um novo marco regulatório de cooperação federativa: um Sistema Nacional de Desenvolvimento Urbano, o que incluiria a governança Regional e Metropolitana. Algo que, disso sentindo falta, comentamos na semana passada.

No de Jair, identifica-se, dentre oito medidas destinadas a “reduzir os homicídios, roubos, estupros e outros crimes”, uma que remete à questão urbana: “tipificar como terrorismo as invasões de propriedades rurais e urbanas”. Se toda favela, tecnicamente, é uma invasão, podemos considerar que, só no Município do Rio, há uns dois milhões de terroristas. Resta saber como lidará com isso. Tremo ao imaginar.

E assim, retorno a JK que, tão elegante quanto precavido, datou e escreveu no tal livro, oferecido por Lacerda: “Agradeci”.

No ano seguinte, em polêmico acidente de automóvel, morreria. Pouco depois, Goulart e em seguida, Lacerda.

No Brasil, o inesperado traz certezas.

Spoiler.

* Arquiteto, urbanista DSc