Jornal do Brasil

País - Artigo

Questionamentos, desânimo, descrença...

Jornal do Brasil RAQUEL STIVELMAN*

Na história do Brasil, o nosso país está atravessando neste momento uma passagem das mais preocupantes. A nossa terra amada está arrasada após anos de crise econômica, política e ética. Consequências esperadas: medo, indignação, ira. Nestas eleições de 2018 está ocorrendo um enfrentamento, com os seus esperados e inevitáveis extremos. Outra natural e esperada consequência: as instituições da democracia não mais oferecem crédito. As pesquisas das intenções de votos são questionadas.
Dentro da carceragem em Curitiba, o ex-presidente Lula comanda todo o processo. Paira no ar o perigo das relações entre os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário se agravarem. Agora, os dois lugares-chave para a decisão do nosso futuro são uma cela de prisioneiro e do já liberado quarto de hospital. Há um tanto de comédia e de drama no ar. A ameaça que não cessa, não desaparece é o desassossego constante entre as pessoas. O que se apresenta diante de todos nós é o prosseguimento do embate.
Há um temor nas bases da democracia porque a disputa está ocorrendo entre duas partes irredutíveis.
O grande perigo é o resíduo russo bolchevista que se encontra no duro núcleo do Partido dos Trabalhadores.
Estão diante de nós dois projetos de “salvação da Pátria” e enquanto esta salvação não vem, a instituição da democracia tem a sua base ameaçada.
Enquanto isso, nós, os cidadãos que trabalhamos, somos honestos, estamos pesarosos e desanimados, tristes e descrentes, ficamos inseguros. O que virá de agora em diante, o que acontecerá neste nosso país combalido e sacrificado?
Infelizmente, há muito desânimo, muito pesar, muita descrença. De vez em quando, um ou outro experimenta a doce sensação da esperança de que algo miraculoso ainda poderá acontecer. Milagres, mesmo raramente, ainda podem acontecer. Mesmo porque, segundo o dito popular, “Deus é brasileiro”!
Amanhã, 7 de outubro, é o grande dia D da nossa história atual. A ansiedade, o medo, a expectativa se apossam de todos. Mesmo olhares de povos estrangeiros estão focados no resultado desta eleição.
Queira Deus, e nestas horas, é a Ele que temos de recorrer, que tudo aconteça em paz, qualquer que seja o resultado! O importante é que não haja balbúrdia, perda de controle ou atmosfera de confronto.
Confiemos todos e oremos juntos para que tudo se desenrole sem convulsões. Oxalá!

* Uma brasileira que ama o seu país



Recomendadas para você