Jornal do Brasil

País

Bolsonaro abusou da regra três

Jornal do Brasil GILBERTO MENEZES CÔRTES, gilberto.cortes@jb.com.br

Depois da confirmação de que a “gripezinha” do presidente Jair Messias Bolsonaro, após meses e meses de atitudes negacionistas e três testes negativos, desta vez era mesmo do vírus do Covid-19, só me resta lembrar de uma velha canção de Antonio Pecci Filho (Toquinho) e Vinicius de Moraes, de nome “Regra Três”.

Macaque in the trees
Jair Bolsonaro (Foto: REUTERS/Adriano Machado)

Diz um dos versos da música, que trata de um caso de amor mal resolvido:

“Tantas você fez que ela cansou

Porque você, rapaz

Abusou da regra três

Onde menos vale mais”

Vamos ver se o presidente, seus seguidores e os que desrespeitam as normas recomendadas pela OMS para evitar a propagação do vírus mudam de atitude. No primeiro momento, ao admitir que poderia estar contaminado, afora usar máscara, o que antes não fazia, Bolsonaro, aparentemente, não mudou de atitude, pois tirou a máscara ao comunicar, oficialmente, que testara positivo. Em ainda, em vez de alertar para os riscos, e deu força aos jovens para ignorar as máscaras!

É bom esperar para ver.

Agora, é necessário precisar a origem do contágio – se foi antes ou após a viagem a Santa Catarina para ver os estragos do Ciclone Bomba, se o contágio veio da família de sua mulher Michelle, cuja avó está com internada com Covid-19 – e quem pode ter sido contaminado pelo presidente em contatos recentes.

No próprio sábado, ao voltar de Santa Catarina, o presidente foi almoçar na casa do embaixador dos Estados Unidos, em Brasília, Todd Chapman, para comemorar os 244 anos da independência americana. Estiveram com ele, os ministros das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, com quem o presidente aparece abraçado em foto, o embaixador ao lado esquerdo, e o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos na direita. Seu filho 03, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que acabou tendo frustrado o sonho de ser embaixador do Brasil em Washington, estava presente. Todos terão que ser testados.

Em Santa Catarina, além da vice-governadora, Daniela Cristina Reinehr, (pois o governador Carlos Moisés está com Covid-19), o presidente da República cumprimentou várias autoridades e apoiadores.

Na sexta feira, Bolsonaro se reuniu em Brasília com 10 grandes empresários do país, num encontro em que todos estavam sem máscaras. Entre os presentes, Paulo Skaf, presidente da Fiesp, e Luiz Carlos Trabuco, presidente do Conselho de Administração do Bradesco.

Na segunda-feira, quando já estava febril, seis ministros encontraram o chefe do Executivo: Paulo Guedes (Economia), Walter Braga Netto (Casa Civil), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) e Jorge Oliveira (Secretaria-Geral), além de José Levi Mello, advogado-geral da União. Ele também recebeu, no Palácio do Planalto, o secretário especial de Cultura, Mário Frias. Todos terão que fazer testes.

Vale lembrar que o general Heleno foi contaminado na viagem presidencial à Flórida, no começo de março. No total, 23 pessoas da comitiva foram contaminadas, além do prefeito de Miami e de assessores do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, com quem jantou na residência particular de Trump, em Mar a Lago. Como não há certeza de que o vírus pode atacar a quem já foi contaminado de desenvolveu anticorpos, um novo exame do general Heleno pode ser esclarecedor.