Parece que ele está há algum tempo envolvido nisso, diz Bolsonaro sobre militar preso

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (27) que não deve ter sido a primeira vez que o segundo-sargento da Aeronáutica Manoel Silva Rodrigues transportou drogas em um avião da FAB (Força Aérea Brasileira).

O militar foi detido na terça-feira (25) no aeroporto de Sevilha, na Espanha, por suspeita de tráfico de drogas. Com ele, foram apreendidos 39 kg de cocaína.

Macaque in the trees
Bolsonaro (Foto: reprodução instagram)

Em transmissão semanal ao vivo em suas redes sociais, ele disse que tudo indica que o militar está envolvido há algum tempo com tráfico de entorpecentes, elogiou o governo espanhol e defendeu que o episódio passe por uma investigação rigorosa.

"Esse elemento, pelo que tudo parece, está há algum tempo envolvido nisso. Ninguém, em uma primeira viagem, coloca 39 kg de entorpecente. E vamos investigar", ressaltou.

O presidente afirmou que até a sua bagagem pessoal passa por revista nas viagens em aeronaves da FAB (Força Aérea Brasileira) e considerou "muita coincidência" o episódio ter ocorrido no dia anterior à sua viagem ao Japão para participar de reunião do G20.

Bolsonaro disse também que o sargento "vai pagar um preço alto" e lembrou que Rodrigues já tinha viajado em aeronaves oficiais em governos anteriores. Segundo balanço feito pela Folha de S.Paulo, o sargento fez ao menos 29 viagens no país e no exterior entre 2011 e 2019.

"Ele fez porque quis, por livre e espontânea vontade. Deu azar. Na primeira viagem nossa, deu azar. Nas outras, ele viajou à vontade. Na nossa primeira, créu. É bom o pessoal já ir se acostumando, porque conosco é assim", afirmou.

O levantamento do jornal Folha de S.Paulo, no entanto, mostra que o militar já havia viajado na equipe do presidente. Em fevereiro, ele estava no séquito de Bolsonaro em deslocamento a São Paulo para a realização de exames médicos. Em maio, participou de viagem a Recife.

Na live semanal, o presidente também reclamou da cobertura da imprensa e afirmou que, por qualquer motivo, leva pancadas, em uma referência ao episódio do sargento preso. Ele disse estar ciente de que receberá críticas até o fim do seu mandato. 

Ao lado de Bolsonaro, o ministro-chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), Augusto Heleno, disse que as avaliações negativas feitas por determinados veículos de imprensa mostram que o governo atual está "no caminho certo".

O presidente comemorou a criação de 32 mil empregos com carteira assinada em maio, mas reconheceu que ainda é pouco diante dos atuais níveis de desemprego. Ele admitiu também que a economia brasileira não tem apresentado um desempenho favorável. 

"A economia não vai bem, reconheço, temos problemas e isso passa pela reforma previdenciária", disse.

O segundo-sargento da Aeronáutica Manoel Silva Rodrigues, preso em Sevilha, na Espanha Reprodução O segundo-sargento da Aeronáutica Manoel Silva Rodrigues, preso em Sevilha, na Espanha