Abraji realiza encontro anual em SP e entrevista ex-ministro

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Começa nesta quinta-feira (27), às 9h15, a série de debates, palestras e cursos do 14º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo, que vai até domingo (30) no campus Vila Olímpia da Universidade Anhembi Morumbi, na zona sul de São Paulo.

A abertura será uma entrevista com o ex-secretário de Governo de Jair Bolsonaro, general Carlos Alberto dos Santos Cruz, demitido há duas semanas.

O ministro da Justiça, Sergio Moro, cancelou há uma semana a sua participação, após a publicação pelo site The Intercept Brasil de mensagens atribuídas ao ex-juiz e a procuradores da Lava Jato.

O evento anual da Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo) reunirá diversos profissionais ligados à Folha de S.Paulo. Já nesta quinta o repórter e analista de dados Raphael Hernandes faz uma oficina para mostrar como o jornalista pode proteger suas fontes e informações pessoais das principais ameaças na internet. E os repórteres Diego Garcia e Catia Seabra falam sobre os bastidores da série que revelou a contratação pela CBF de uma empresa de paraíso fiscal.

Na sexta (28), a editora de Diversidade, Paula Cesarino Costa, discute por que as redações brasileiras precisam investir em diversidade étnica e de gênero. A repórter Fernanda Mena debate como abordar vítimas, seus parentes e os parentes de agressores na cobertura de ataques a escolas. Taís Gasparian, advogada da Folha de S.Paulo, fala sobre a confusão em torno de "fake news" e o risco de estimular a censura. E a repórter Patricia Campos Mello trata dos ataques ao próprio jornalismo e do recurso à Justiça.

No sábado (29), o repórter Igor Gielow aborda como cobrir as Forças Armadas. Rodrigo Vizeu, editor de Podcast, discute as melhores práticas para esse formato. O repórter Nelson de Sá debate como cobrir um governo que estigmatiza o jornalismo. E Daniela Lima, editora do Painel, trata de um dos principais instrumentos dos profissionais, o "off" (direito de anonimato da fonte).

No domingo, Daniel Mariani relata como o DeltaFolha, grupo de jornalismo de dados, criou o GPS Ideológico, que categorizou influenciadores e seus seguidores no Twitter para compreender melhor o debate politico.

Nesta quinta, às 16h30, haverá uma homenagem da Abraji à jornalista Miriam Leitão, colunista do jornal O Globo e comentarista da Rede Globo, do canal de notícias GloboNews e da rede de rádio CBN.

 

Veja destaques da programação

Quinta, 27

9h15"‚"Oi, aqui é o hacker": saiba o que fazer para nunca receber essa mensagem, com Raphael Hernandes

11h15"‚Drible na licitação: o esquema da CBF para vender direitos de transmissão do Brasileiro, com Diego Garcia e Catia Seabra

Sexta, 28

14h"‚Por que as redações brasileiras precisam investir em diversidade, com Paula Cesarino Costa

14h"‚Cobertura de massacres: limites e cautelas, com Fernanda Mena

14h"‚A confusão sobre o que é "fake news" e o risco de censura: liberdade de expressão em xeque, com Taís Gasparian

16h"‚Jornalismo sob ataque: em que ponto o assédio online vira assunto para a Justiça?, com Patricia Campos Mello

Sábado, 29

9h"‚Como cobrir as Forças Armadas, com Igor Gielow

9h"‚Podcast, um novo caminho para o jornalismo político, com Rodrigo Vizeu

14h"‚Imprensa e bolsonarismo: o desafio de cobrir um governo que estigmatiza o jornalismo, com Nelson de Sá

14h"‚A ética do off, com Daniela Lima

Domingo, 30

12h05"‚Como fizemos: G1, Folha de S.Paulo e Estadão revelam bastidores de três reportagens de dados, com Daniel Mariani

 

Veja a programação:"‚ congresso.abraji.org.br/Salas