Jornal do Brasil

País

'Hackers de juízes e linhas auxiliares não vão interferir na missão', diz Moro

FolhaPress LEANDRO COLON

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro Sergio Moro (Justiça) afirmou em rede social nesta quarta-feira (12) que o episódio envolvendo o vazamento de troca de mensagens entre ele e o procurador Deltan Dallagnol, da Lava Jato, não vai interferir na missão de sua gestão, incluindo a aprovação do projeto anticrime no Congresso.

"Hackers de juízes, procuradores, jornalistas e talvez de parlamentares, bem como suas linhas auxiliares ou escândalos falsos não vão interferir na missão", disse.

Macaque in the trees
Sergio Moro (Foto: REUTERS/Bruno Kelly)

Moro publicou dados do Sinesp (Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública) que, segundo ele, mostram uma queda de 23% de homicídios em relação ao primeiro bimestre do ano passado.

"Ressalvas: 1- Precisamos trabalhar para a redução ser permanente e constante; 2 - muitos fatores influenciam a queda, o mérito não é só do Governo Federal, mas também dos estaduais e distrital; e 3 - mesmo com a redução, os números ainda são altos, precisamos trabalhar muito mais", escreveu o ministro.

"Ressalvas: 4 - ajudaria a aprofundar a queda a aprovação do projeto anticrime, mas respeitamos a prioridade da Nova Previdência", completou. 

Segundo a reportagem do The Intercept Brasil, Moro sugeriu na troca de mensagens com o MPF (Ministério Público Federal) mudar a ordem de fases da Lava Jato, cobrou a realização de novas operações, deu conselhos e pistas e antecipou ao menos uma decisão judicial.