Governo retira convite a representante de Guaidó para entregar credencial a Bolsonaro, dizem jornais

(Reuters) - O governo do presidente Jair Bolsonaro desconvidou a representante no Brasil do líder da oposição venezuelana e autoproclamado presidente interino do país, Juan Guaidó, da cerimônia de entrega de credenciais diplomáticas na semana que vem, segundo os jornais Folha de S.Paulo e O Globo desta sexta-feira.

De acordo com os jornais, o Itamaraty retirou o convite a María Teresa Belandria após sofrer pressão da ala militar do governo, que considerou que a apresentação das credenciais ao presidente da República --que marca o início da missão de um embaixador como representante de seu país-- seria uma provocação desnecessária ao presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

Macaque in the trees
(Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino)

O Brasil, ao lado dos Estados Unidos e da maioria dos países da América Latina, reconheceu Guaidó como presidente interino da Venezuela depois que o líder de oposição se autodeclarou chefe de Estado interino alegando que a reeleição de Maduro no ano passado foi obtida em uma eleição fraudulenta.

Maduro, por sua vez, acusa Guaidó de ser uma marionete dos EUA que busca derrubar o seu governo.

Belandria disse ao jornal O Globo que o apoio do Brasil a Guaidó continua sendo "sólido, forte e decidido", e que será fixada uma "nova oportunidade para a Venezuela”.

Segundo o jornal, ela continua tendo status de embaixadora para o governo brasileiro.